Estreias  

Como filmar a doença?

Florian Zeller realizou "O Pai" a partir da sua peça homónima: não apenas um filme sustentado por sólidas interpretações, mas também um exemplo de um cinema que nasce, não dos "efeitos", mas das personagens.

Como filmar a doença?
Olivia Colman e Anthony Hopkins: o que é o espaço/tempo?
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Como filmar a doença?
O Pai Anthony tem 81 anos e mora sozinho no seu apartamento em Londres, rejeitando todas as enfermeiras que a sua filha Anne tenta impor-lhe. Porém, esse apoio torna-se cada vez mais urgente para ela, pois vai deixar de poder visitá-lo todos os dias -decidiu mudar-se para Paris para viver com um homem que acabou de conhecer...Mas se isso é verdade, quem é o estranho que irrompe pela sala de Anthony, ...

A notável composição "oscarizada" de Anthony Hopkins em "O Pai", no papel de um velho senhor atingido de demência, ajuda-nos a sublinhar uma diferença que está longe irrelevante. Assim, a regra deste tipo de histórias consiste em intensificar o dramatismo vivido por aqueles que olham o paciente, cada vez mais confundidos e perturbados com o carácter errático e desconexo do seu comportamento. Mas que acontece se se inverter essa lógica? Ou seja, e se perguntarmos: como é que ele nos vê?

Na verdade, a sinopse do filme do francês Florian Zeller, adaptando a sua própria peça (já encenada por João Lourenço, com João Perry, no Teatro Aberto), é insuficiente para compreendermos a sua dinâmica interna. Não se trata apenas de expor o agravamento do estado de saúde do pai, mas de observar como a sua perda de coordenadas — espaço/tempo — afecta também todas as outras personagens.

Lembremos, por isso, que a composição de Hopkins não pode ser dissociada da subtil presença de Olivia Colman (no papel da filha), a par de Olivia Williams, Imogen Poots ou Rufus Sewell. Num contexto tão saturado por filmes e personagens que vivem de artifícios consagrados como matéria "obrigatória" do cinema, este é também um filme de retorno às singularidades do factor humano.

Pormenor a ter em conta: na adaptação da peça, Zeller contou a colaboração (certamente preciosa) de um grande narrador como o inglês Christopher Hampton, especialista neste tipo de re-escrita. Dramaturgo, argumentista e também realizador — por exemplo, do magnífico "Carrington" (1995), com Emma Thompson e Jonathan Pryce —, Hampton partilhou o Óscar de argumento adaptado com o própio Zeller; foi a sua segunda estatueta dourada, depois da que lhe foi atribuída, na mesma categoria, por "Ligações Perigosas" (1988), de Stephen Frears.

Crítica de João Lopes
publicado 00:24 - 10 maio '21

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes