Como filmar uma criança de dois anos?

Cinema EuropeuMais Cinema  

Como filmar uma criança de dois anos?

De Itália, chega-nos um singular objecto de cinema: "La Pivellina" conta a história muito concreta (e dramática) de uma criança com dois anos de idade.

Por vezes, há filmes que nos envolvem pelo seu carácter impossível. São filmes que não se refugiam em nenhuma moda artificial (por exemplo, multiplicando os efeitos especiais até ao mais absoluto gratuito), arriscando na procura de algo que, em boa verdade, não nos parece possível... Por exemplo: filmar uma ficção tendo com actriz principal uma criança de dois anos anos.

É isso mesmo que acontece em "La Pivellina", uma produção italiana dirigida por Tizza Covi e Rainer Frimmel: o filme centra-se na personagem de uma menina de dois anos que é aparentemente abandonada pela mãe, sendo recolhida por uma pequena família que vive de espectáculos ambulantes de circo. E o mais espantoso é que Covi/Frimmel conseguem, de facto, construir uma ficção que integra, com grande agilidade, a verdadeira reportagem que fazem sobre o comportamento da sua protagonista.

"La Pivellina" possui a virtude de não favorecer qualquer simbolismo mais ou menos "universal". Nada disso: o que conta é a história concreta daquela criança e as circunstâncias muito particulares em que ocorre. É um filme que não pode deixar de evocar a herança riquíssima do neo-realismo, não porque seja possível (ou desejável) repetir as suas condições criativas, apenas porque reencontramos o mesmo empenho em descobrir e filmar as vidas atribuladas dos que, habitualmente, não têm qualquer protagonismo social ou evidência dramática.

 


Poster de «La Pivellina»

LA PIVELLINA
Patty e o marido, Walter, são artistas circenses a viverem num parque de campismo nos arredores de Roma. Num dia de Inverno, Patty encontra, abandonada e ao frio num parque infantil, uma menina de dois anos com um bilhete de uma mãe desesperada a pedir que cuidem da criança. Mesmo contra a vontade de Walter, a mulher resolve manter a criança consigo e, com o passar do tempo, todos se redescobrem no seio daquela família. Até ao dia em que Patty recebe uma carta da mãe da criança a informar que está de regresso...

De Tizza Covi, Rainer Frimmel com Tairo Caroli, Asia Crippa, Patrizia Gerardi; Drama; 100m; M/12; ITA; 2009

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema EuropeuMais Cinema