Estreia  

Detroit, uma memória americana

Depois de "Estado de Guerra" e "00:30 - A Hora Negra", Kathryn Bigelow volta a mostrar a riqueza e complexidade da sua visão política — com "Detroit", ela evoca os motins que abalaram aquela cidade, em 1967, e em particular as manifestações brutais de racismo.

Detroit, uma memória americana
Will Poulter e Anthony Mackie — recordando os motins de Detroit, em 1967
Crítica de
Subscrição das suas críticas
155
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Detroit, uma memória americana
Detroit Da premiada realizadora Kathryn Bigelow (“Estado de Guerra”, “00:30 A Hora Negra”) “Detroit” relata os acontecimentos de uma noite assustadora, durante os tumultos civis que dividiram a cidade de Detroit em 1967 e resultaram em traumáticas consequências. No verão de 1967 os Estados Unidos da América foram assolado s por uma crescente instabilidade política e social: a ...

Será que o cinema político ainda existe?... É uma pergunta de algibeira, quanto mais não seja porque surge, muitas vezes, parasitada por convenções mais ou menos "militantes" e "panfletárias" que, em última instância, ocultam um facto tão simples quanto essencial: um filme não é um comício, mas sim uma narrativa. Poderemos, por isso, perguntar: quem é que ainda filma politicamente?

Entre as possibilidades de resposta, vale a pena avançar com um nome: Kathryn Bigelow. Dois títulos bastariam para ilustrar a riqueza da sua visão: "Estado de Guerra" (2008), sobre os soldados americanos no Iraque (valeu-lhe o Oscar de realização, o único até agora atribuído a uma mulher), e "00:30 - A Hora Negra" (2012), sobre a missão para localizar e abater Osama bin Laden. Agora, com "Detroit", Bigelow arrisca encenar os motins que abalaram aquela cidade, em 1967.

O resultado corresponde, justamente, a um notável trabalho político. Desde logo, porque se trata de evocar um tempo de muitas convulsões em que a luta pelos direitos civis emergia como um tema fulcral da dinâmica da sociedade americana; depois, porque os negros americanos, em particular, lutavam pela plena igualdade, sendo por vezes alvo de um racismo brutal (como aconteceu em Detroit) — aliás, para compreender um pouco melhor a conjuntura nacional em que tudo ocorreu, um outro filme recente, "Eu Não Sou o Teu Negro", de Raoul Peck, poderá ser também um objecto muito útil.

Os motins de Detroit tiveram o seu mais violento ponto crítico no incidente do Motel Algiers, em que a acção da polícia conduziu à morte de três jovens afro-americanos, na sequência de uma detenção brutal e humilhante. É verdade que esse incidente ocupa a zona central do filme (cuja duração global se aproxima das duas horas e meia), mas Bigelow tem o cuidado de nunca o reduzir a "símbolo" unívoco dos dramas sociais daquele momento.

Acima de tudo, "Detroit" é um filme sobre uma cidade em estado de guerra, através da metódica acumulação de elementos capazes de nos fazer compreender como as questões da desigualdade e as manifestações de racismo surgem, afinal, enraizadas no tecido social. O trabalho dos actores é, nessa perspectiva, fundamental: John Boyega (que conhecemos através de "Star Wars"), Will Poulter, Anthony Mackie, etc. Sem esquecer que Bigelow é uma cineasta que sabe organizar uma complexa estrutura narrativa, preservando um envolvente "espírito" documental — grande filme, grande cinema, bem distante dos lugares-comuns do Verão cinematográfico.

Crítica de João Lopes actualizado às 18:42 - 15 setembro '17
publicado 18:18 - 15 setembro '17

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes