Disney promete equilíbrio entre estreias no cinema e no streaming

Box Office  

Disney promete equilíbrio entre estreias no cinema e no streaming

Na conferência de investidores que decorreu durante a madrugada de quinta para sexta-feira, o estúdio desvendou uma centena de projetos novos, mas poucas ideias originais. As ações da companhia dispararam depois da apresentação.

Artigo recomendado:
Disney promete equilíbrio entre estreias no cinema e no streaming
Box Office
Warner cede à tentação do streaming O estúdio vai lançar todo o alinhamento de filmes previstos para 2021 em simultâneo nos cinemas e na plataforma de streaming HBO MAX.

O mercado quer mais do mesmo, é a principal ideia que se pode tirar da subida do preço das ações da Disney para valores recorde após a apresentação do dia do investidor levada a cabo pelo estúdio na última madrugada.

A Disney promete gastar 14 a 16 mil milhões de dólares em conteúdos originais destinados às plataformas de streaming Disney+, Hulu e ESPN Plus, até 2024, com 8 a 9 mil milhões concentrados na Disney+. Um investimento que financiará a produção de 105 novos filmes e séries (o CEO Bob Chapek tomou nota de 63 séries e 42 filmes) criados essencialmente a partir de personagens, ou histórias conhecidas das suas marcas principais, Star Wars, Pixar e Marvel.

Em 2024, a Disney conta chegar aos 230 a 260 milhões de subscritores em todo o mundo e prevê que o serviço comece finalmente a dar lucro. No presente, a Disney+ conta com 86 milhões de clientes.

Quanto à questão que tem sido debatida nos últimos dias após a decisão da Warner Bros. de lançar todo o alinhamento de filmes em simultâneo nos cinemas e na sua plataforma de streaming, a Disney foi mais equilibrada e apresentou uma estratégia mais flexível. Continuará a alimentar o streaming com filmes, mas mantém o compromisso de estrear parte do alinhamento de longas-metragens em exclusivo nas salas de cinema.

Em termos práticos, o modelo varia conforme os casos e dependerá muito da reabertura das salas de cinema pós-pandemia. Por agora, "Raya and the Last Dragon" segue o modelo aplicado pela Warner a "Mulher Maravilha 1984", lançamento, ao mesmo tempo, nas salas e no streaming. Já "Pinóquio", de Robert Zemeckis, com Tom Hanks no papel de Gepeto, e "Peter Pan e Wendy" terão lançamento apenas na Disney+. "Cruella", o spinoff de "101 Dálmatas" terá um lançamento tradicional, em cinema.

Entretanto, a Disney prepara-se para colmatar um dos pontos fracos da sua oferta fora da América do Norte - os conteúdos para públicos mais adultos. Ao invés de apostar no Hulu, serviço que desempenha a mesma função nos EUA, a Disney prefere apostar numa marca existente no mercado indiano e médio oriente, a Star. Será esta a subplataforma que permitirá a colocação de séries e filmes da ABC, FX, Freeform, Searchlight e 20th Century Studios no universo Disney+.

Chapek defendeu o argumento - pouco convincente - de que o Hulu não tem reconhecimento internacional. Na verdade, a opção pode estar ligada ao facto de o Hulu só passar a 100% para o controlo da Disney em 2024. Até lá, a Comcast, dona da NBCUniversal mantém privilégios de colocação de programas o que dificulta acordos internacionais.

O serviço Star entra em funcionamento na Europa, Canadá e na Nova Zelândia a partir de 23 de fevereiro, como uma opção adicional ao pacote já existente da Disney+. Na América Latina existirá como uma plataforma independente, a partir de junho 2021.

por
publicado 11:30 - 12 dezembro '20

Recomendamos: Veja mais Artigos de Box Office