Épico amoroso com canções ligeiras
Foto de família: Milos Forman, Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni, pai, mãe e filha.

Cinema Europeu  

Épico amoroso com canções ligeiras

Quatro décadas de amor e a respetiva banda sonora com canções sobre os desencantos de mãe, filha e dos homens que as rodeiam.

Cinemax Rádio:
Outros Áudios
Antevisão "Os Bem Amados"
Vídeo:
Épico amoroso com canções ligeiras
"Je Peux Vivre Sans Toi" Cena musical do filme "Os Bem Amados". Década de 60, em Praga, com Ludivine Sagnier (Madeleine jovem) e Radivoje Bukvic (Jaromil).

Épico amoroso com canções ligeiras
"Une Fille Légère" Chiara Mastroianni e Catherine Deneuve, Madeleine e Vera, mãe e filha, numa cena musical do filme "Os Bem-Amados".

Começamos pela jovem Madeleine nos anos 60 em Paris, uma variação de mulher sedutora ingénua, apaixonada por sapatos e que acaba por se transformar em prostituta, até deixar a cidade para aceitar o pedido de casamento de um cliente, e uma vida nova em Praga (vídeo "Je Peux Vivre Sans Toi").

Ludivine Saigner interpreta o papel da mulher que irá descobrir anos mais tarde, e já com uma filha criança, as infidelidades do marido, optando então por regressar a Paris.

Em Londres, algumas décadas depois, Vera deambula pela noite e conta a história do casal, rematando que ela própria, não é mais do que a vida sexual dos pais. Chiara Mastroiani é na história o resultado de um casamento falhado, e irá herdar uma parte do destino da mãe, ao apaixonar-se por um homem que não lhe pode retribuir o amor (video "Les Yeux ao Ciel").

A mãe, agora envelhecida e interpretada por Catherine Deneuve, continua a ser uma mulher dividida entre a estabilidade de um segundo casamento e a sedução do antigo marido que se torna amante.

"Os Bem-Amados" é o filme que se segue a "As Canções de Amor" onde Christophe Honoré já tinha experimentado trazer para o cinema os afectos contados através de canções ligerias da autoira de Alex Beaupain.

A história traça um percurso de mais de quarenta anos, contando os episódios dos amores, em períodos distintos. No último festival de Cannes, onde o filme foi apresentado, o realizador explicou que quis mostrar as diferenças do tempo dos pais, até à atualidade.

Uma revisão do amor proposta através das histórias de vida de Madeleine e Vera, e que é também uma revisão dos conceitos de família e das possibilidades de romances de gerações diferentes.

O filme ganha dimensão de curiosidade, ao colocar em cena Catherine Deneuve e Chiara Mastroiani, mãe e filha na vida real (vídeo Une Fille Légère"). E tem ainda o contributo do realizador checo Milos Forman, no papel do marido que se torna amante. 

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Europeu