Estoril Film Festival, dia 7:o corpo segundo Cronenberg
Cronenberg, David:
nascido em Toronto, Canadá, em 1943

Estoril Film Festival  

Estoril Film Festival, dia 7:
o corpo segundo Cronenberg

É, sem dúvida, uma das figuras marcantes da terceira edição do certame do Estoril: David Cronenberg, cineasta do factor humano

A presença de David Cronenberg (da obra e do próprio cineasta) no Festival do Estoril é uma excelente oportunidade para reavaliar a imprecisão do seu rótulo tradicional de cineasta do terror. Por causa de filmes mais recentes como Uma História de Violência (2005) ou Promessas Perigosas (2007)? Sim, sem dúvida, mas também porque a revisão dos primeiros títulos da sua filmografia nos permite recolocar temas e obsessões da sua tão peculiar démarche.

Quarta-feira, dia 11, é um bom dia para essa redescoberta, uma vez que vai ser possível ver três títulos da sua primeira fase: "Stereo" (1969) e "Crimes of the Future" (1970), às 21h45; "Shivers" (1975), às 00h15.

São filmes obviamente devedores de algumas linhas temáticas do cinema de terror. "Shivers", em particular, coloca em cena uma história delirante cujas inquietações são, no plano simbólico, actualíssimas: tudo se passa num complexo suburbano em que alguns habitantes surgem infectados por um vírus que os impele a tentar infectar os outros através do sexo.

Ao mesmo tempo, são filmes que recusam o habitual princípio de alteridade desse tipo de intrigas. Ou seja: a ameaça e o medo não surgem na forma de um "outro" mais ou menos monstruoso, mas a partir do próprio corpo humano.

Dito de outro modo: Cronenberg não sai do espaço humano para apresentar ou "justificar" as suas personagens. O seu cinema é, afinal, uma paisagem cuja energia dramática nasce da fascinante — e angustiante — impossibilidade de sair do humano. No limite, nenhuma transfiguração do corpo é desumana. Ou ainda: somos prisioneiros da nossa identidade.

Escusado será lembrar que, com o passar dos anos, assistimos à plena confirmação de tal visão através de obras-primas como "Irmãos Inseparáveis" (1988), "Crash" (1996) ou "Spider" (2002).

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Estoril Film Festival