Estranha forma de fado
Nuno Maló fez um trabalho orquestral para ilustrar "Amália".
- DR

Cinema PortuguêsMais CinemaMais CinemaMais CinemaMais Cinema  

Estranha forma de fado

O compositor Nuno Maló assina a Banda Sonora Original de "Amália". Um trabalho que sem perder o fado da diva de vista descola do estilo para servir o cinema de Carlos Coelho da Silva.

O compositor português radicado nos Estados Unidos até gosta de fado, mas não é um grande conhecedor do género que imortalizou Amália. Conhece melhor os artistas recentes, por exemplo, Mariza - com quem não se importaria de colaborar.

Para realizar a banda-sonora de "Amália" ouviu toda a obra da fadista. Foi durante essa escuta que se apaixonou por "Aranjuez Mon Amour" - versão para o famoso "Concerto de Aranjuez". Este tema foi incluído no filme por sugestão de Nuno Maló. O outro fado favorito é "Estranha forma de vida".

A obra que realizou para servir o filme é isso mesmo: estranha ao fado, mas muito clássica na abordagem. Acompanha os estados de alma da diva. Ora alegre, ora dramática.

O músico define o trabalho que realizou, essencialmente, como um instrumento que serve uma narrativa cinematográfica. Mas é mais do que isso. É Portugal e Hollywood, ao mesmo tempo. É Amália, mas o fado não mora ali. É alegre, emotivo e negro q.b.

Estranha e bela forma de compor esta.

 

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema PortuguêsMais CinemaMais CinemaMais CinemaMais Cinema