Estreias  

Habitando as pinturas de Van Gogh

É mesmo verdade que os recursos digitais estão longe de esgotar o campo da animação cinematográfica: "A Paixão de Van Gogh" é uma inovadora experiência cinematográfica, ou seja, um filme desenhado a partir das telas do próprio pintor.

Habitando as pinturas de Van Gogh
Um retrato cinematográfico de Van Gogh, desenhado a partir das suas próprias pinturas
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Habitando as pinturas de Van Gogh
A Paixão de Van Gogh "A Paixão de Van Gogh" é o primeiro filme do mundo totalmente pintado à mão. Uma investigação à vida e controversa morte de Vincent Van Gogh, contada através das suas pinturas e dos que com ele privaram. Joseph Roulin é o carteiro que Van Gogh pintou e com quem estreitou amizade. Não se convencendo da teoria do suicídio do pintor, envia o seu filho Armand entregar a última carta que o artista ...

E se os desenhos animados não tiverem de ser executados com as novas técnicas digitais? Mais do que isso: e se os desenhos animados puderem até prescindir das mais tradicionais aguarelas?

O desafio de "A Paixão de Van Gogh" começa, justamente, na exploração dos terrenos alternativos que tais perguntas pressupõem. Nas notas oficiais da respectiva produção diz-se mesmo que estamos perante a primeira longa-metragem de animação totalmente executada através de pinturas.

Que se passa, então? Pois bem, a dupla de realizadores — Dorota Kobiela, polaca, e Hugh Welchman, inglês — dirigiu uma equipa de mais de uma centena de animadores a que, em boa verdade, podemos chamar pintores. O desafio consistiu em fazer um retrato de Vincent van Gogh (1853-1890) a partir de pinturas a óleo tratadas com "frames" de uma animação tradicional. Mais do que isso: aplicando a primitiva técnica da rotoscopia para registar previamente a performance dos actores e, a partir das imagens obtidas, conceber a sua identidade desenhada

Proeza tecnicista? Delírio formalista? Nada disso. Kobiela e Welchman não estão, de modo algum, à procura de uma banal ostentação dos seus recuros. "A Paixão de Van Gogh" é mesmo um filme que coloca na sua linha de prioridades o levantamento de uma discussão sobre as condições em que terá ocorrido o suicídio do pintor: Van Gogh disparou um revólver contra si próprio, a 27 de Julho de 1890, vindo a falecer dois dias mais tarde, contava 37 anos — será que as condições em que aconteceu a sua agonia estão suficientemente esclarecidas?

Digamos que o filme deixa dúvidas em aberto, de algum modo ampliando a perturbação emocional que atravessa as telas do pintor. Não é um relato biográfico, em sentido estrito, antes a metódica construção de um universal visual directamente inspirado nos quadros de Van Gogh. Daí a singular energia que se desprende de "A Paixão de Van Gogh" — tudo acontece como se o cinema tivesse penetrado nos próprios quadros, habitando o mundo assombrado do pintor. O resultado é uma viagem dramaticamente invulgar, cinematograficamente inovadora.

Crítica de João Lopes actualizado às 12:00 - 19 outubro '17
publicado 23:42 - 18 outubro '17

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes