Kika, a portuguesa revelada em Sundance
Kika Magalhães no papel de Francisca em "The Eyes of My Mother"

Mais Cinema  

Kika, a portuguesa revelada em Sundance

De Famalicão até Sundance foi um passo rápido. Kika Magalhães tornou-se numa estrela a seguir depois de ter conquistado a crítica no mais prestigiado festival de cinema independente.

A portuguesa Kika Magalhães conquistou a crítica de cinema dos EUA com o papel de protagonista em "The Eyes Of My Mother", sendo considerada por vários meios uma revelação do festival de cinema de Sundance.

"Kika Magalhães carrega o filme inteiro nos seus magros ombros, com a intransigente atriz portuguesa negando empatia ou explicações fáceis para o mal sem limites que a sua personagem apresenta", escreveu a Rolling Stone.

A mesma revista acrescentou: "talvez a única coisa mais assustadora do que esta performance é a ideia de que não veremos Magalhães noutro projeto muito em breve".

O filme, que estreou no dia 22 de janeiro, concorria na categoria Next e conta a história de uma mulher que cresce sozinha depois de a sua família desaparecer de forma trágica.

"Isto tudo foi melhor do que estaria à espera. As críticas foram todas altamente e assinei contrato com uma das melhores agências de atores dos Estados Unidos. Estou realmente nas nuvens", disse a atriz à agência Lusa.

A revista Variety considerou que "o festival ajudou a lançar mais uma carreira" e explicou que, além do contrato de representação com a Anonymous Content, vários distribuidores estão interessados em comprar o filme do realizador Nick Pesce. 

Kika Magalhães dá vida a uma personagem portuguesa que também se chama Francisca. Além de algumas cenas serem faladas em português, Kika surge a comer arroz de cabidela e a banda sonora inclui fados de Amália Rodrigues.

"Estes elementos portugueses todos foram ideias minhas, porque o diretor é muito aberto a colaborações e adorou o facto de eu ser portuguesa", explicou a atriz.

"[O filme] tem a sua âncora numa sublime performance do género Norma Bates de Magalhães. É um grande elogio dizer que ela pôs alguns dos mais insuspeitos espetadores a correr porta fora", elogiou a Variety, quando colocou Kika na lista de melhores atores do festival.

O site especializado Consequences of Sound escreveu que o olhar da atriz "é sempre severo, embora ela se mova com uma violenta graça de bailarina".

"Magalhães consegue assustar e cativar simpatia em igual medida, nunca perdendo noção do que é a realidade: os mortos continuam mortos, nem todos são nossos amigos, algumas pessoas já nascem más", explicou o autor.

O prestigiado Indiewire elegeu o filme como a melhor descoberta do festival, depois de ter colocado Nick Pesce e Kika Magalhães na lista das 25 melhores realizadores e atores, e diz que a personagem da portuguesa "alternando entre ser patética e assustadora, torna-se um monstro cinematográfico para a posteridade."

A Esquire também prestou atenção à jovem portuguesa, colocando-a na lista dos "sete nomes a acompanhar" durante o festival e publicando uma curta entrevista com ela.

"Kika Magalhães é aqui o talento revelação enquanto Francisca, uma mulher cuja solidão é tão compreensível como as suas ações inconscientes são horríveis", escreveu ainda a publicação Ion Cinema.

Kika Magalhães deixou Famalicão para viajar pela Europa. Viveu alguns anos a viver em Londres e Barcelona, Kika mudou-se para Nova Iorque em 2012, para estudar representação na escola de teatro Neighborhood Playhouse.

"Há quatro anos, quando me mudei para os Estados Unidos para tentar uma carreira de representação, pensava que se conseguisse duas linhas em peças baratas, teria muita sorte. Por isso, ter um filme como 'The Eyes Of My Mother", em que sou protagonista, a competir no Sundance, festival conceituado por mobilizar a principal produção independente, está muito além dos meus sonhos", disse a atriz.

Recentemente, Kika participou em dois filmes que aguardam estreia: a ficção científica, "City of Gold", produzido por Gus Van Sant, que também protagoniza; e outro filme independente, "Tapestry", no qual desempenha o papel de mulher de Stephen Baldwin.

"Trabalhas muito e és cheia de talento e paixão. As tuas conquistas no Sundance apenas confirmam aquilo que sempre soube, és uma estrela", disse o o realizador de "Tapestry", Ken Kushner, sobre a atriz.

O festival de Sundance é dedicado ao cinema independente de novos autores. Na edição 2016 estiveram a concurso filmes de 37 países e 48 realizadores estreantes.

"The Birth of a Nation", drama sobre uma revolta de escravos no século XIX na Virgínia (EUA), venceu os principais prémios da edição deste ano do festival.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Mais Cinema