LEFFEST (dia 13): nas malhas de ficção e realidade
Vanessa Redgrave e David Hemmings: o que é a identidade humana?

Festival  

LEFFEST (dia 13): nas malhas de ficção e realidade

No LEFFEST, o simpósio 'Ficção e Realidade: Para Além do Big Brother' surge enquadrado por um magnífico ciclo de filmes — o clássico "Blow Up" (1966), de Michelangelo Antonioni, é um dos seus maiores destaques.

Na oitava edição do Lisbon & Estoril Film Festival, o simpósio internacional  'Ficção e Realidade: Para Além do Big Brother' surge enquadrado por um ciclo de filmes em que, justamente, a vacilação entre o que acontece e a maneira como se narra o que acontece ocupa um lugar decisivo. Em que ficção vemos, ou julgamos ver, a realidade?

O clássico, afinal hiper-moderno, "Blow Up" (1966), de Michelangelo Antonioni, surge como um dos momentos decisivos desse ciclo, além do mais podendo simbolizar o período das "novas vagas", na década de 60, em que os limites da figuração cinematográfica foram sistematicamente discutidos por alguns autores, em contextos de produção muito diversificados.

As relações que se estabelecem entre o fotógrafo Thomas (David Hemmings, na interpretação mais emblemática de toda a sua carreira) e os outros, a começar pela personagem de Jane (Vanessa Redgrave, notável como sempre), fazem vacilar todas as certezas — incluindo as certezas do espectador.

A história da fotografia que, ao ser ampliada (blow up), parece revelar um acontecimento perturbante transfigura-se, assim, numa tragédia interior — tragédia do conhecimento e tragédia da matéria. No limite, Antonioni filmava um mundo que, na ilusória transparência da sua evolução consumista, começava a perder a paixão pela identidade humana. O medo que tudo isso faz não se desvaneceu.

por
publicado 19:24 - 13 novembro '14

Recomendamos: Veja mais Artigos de Festival