Lobo Antunes filmado por Solveig Nordlund
Rui Morrison é um apreciador de tango, Ruy de Carvalho um taxista que emita Carlos Gardel (Foto: Bruno Nordlund)

Cinema PortuguêsRodagem  

Lobo Antunes filmado por Solveig Nordlund

O CINEMAX esteve na rodagem do filme "A Morte de Carlos Gardel", a primeira adaptação cinematográfica de uma obra de António Lobo Antunes

Cinemax Rádio:
Outros Áudios
Antevisão "A Morte de Carlos Gardel"
Vídeo:
Lobo Antunes filmado por Solveig Nordlund
Rodagem de "A Morte de Carlos Gardel" Reportagem de Luisa Sequeira nos bastidores do novo filme de Solveig Nordlund.

Solveig Nordlund, realizadora sueca há muito radicada em Portugal, reentrou no universo de António Lobo Antunes a partir do romance "A Morte de Carlos Gardel".

Nordlund conhece bem o trabalho do escritor, uma vez que já tinha realizado, em 2009, o documentário "Escrever, Escrever, Viver" (2009) sobre António Lobo Antunes e nesse documentário já estava representado o universo do tango e surgiam textos do livro agora em adaptação para o grande ecrã.

Um jovem toxicodependente está hospitalizado em estado de coma, à beira da morte. Assistido pelos seus familiares mais próximos, cada um deles evoca uma teia de recordações, de memórias obsessivas e de vivências actuais, à medida que vão vivendo a evolução da sua agonia e a sua morte.

A paixão do pai do jovem pelo tango e pela figura de Carlos Gardel, o mais iconográfico cantor de tango argentino, percorre, simbolicamente, este rosário de lamentações e situações dolorosas.

Um filme fiel à estrutura do livro
Cena rodada no "Pois, Café" com Joana De Verona e Carlos Malvarez (Foto: Bruno Nordlund)

Como no livro de António Lobo Antunes o filme também é dividido em cinco partes e cada uma tem o nome de um tango de Gardel. O filme apresenta um retrato de uma família, as expectativas e as ilusões - para a realizadora, "o tango representa isso, é, simultaneamente, nostálgico e dramático".

Tal como no romance, o tango pontua um outro nível simbólico, associando-se a múltiplos passados, confundindo-se nos vários "reais".

O jovem ator Carlos Malvarez tem o primeiro grande papel numa longa-metragem, interpretando a personagem principal de Nuno. Está entusiasmado e aprecia esta adaptação "muito fiel a um sentimento que o livro transmite…".

Joana De Verona faz de Leonor, uma jovem que não tem maturidade nem experiência de vida para lidar com a situação delicada de Nuno, o seu namorado. Este papel confirma o seu bom momento no cinema português após ter protagonizado "Como Desenhar um Círculo Perfeito", o recente filme de Marco Martins, e de ter participado na longa-metragem "Mistérios de Lisboa", do chileno Raul Ruiz.

No platô existe grande cumplicidade, Solveig Nordlund costuma trabalhar com a mesma equipa, tanto no teatro como no cinema. Acácio de Almeida assina a fotografia do filme, como tinha sucedido em trabalhos anteriores da realizadora.

O tango na Voz do Operário
O tango que se escuta e dança em Lisboa (Foto: Bruno Nordlund)

Nas fantasias de Álvaro (pai do jovem toxicodependente moribundo), Carlos Gardel ainda é vivo, e anda pelos bares decadentes da cidade, encantando as noites. A personagem é interpretada por Rui Morrison que julga encontrar o grande nome do tango, na figura de Ruy de Carvalho, um taxista com jeito para imitar Gardel. 

"El dia en que me quieras..." ouve-se, repetidamente, a partir de um Ipod, durante a rodagem de uma das cenas que o CINEMAX seguiu na Voz do Operário. O tango que foi banda sonora de um filme, gravado em 1935, e que é canção de amor ressucitada neste novo filme.

Ruy de Carvalho sobe ao palco para imitar Carlos Gardel sob o olhar atento e melancólico da personagem de Rui Morrison, um homem dilacerado pela dor de perder o filho, e entregue a memórias do passado.

No filme de Solveig Nordlung nenhum dos dois actores vai ter de cantar com a própria voz, ou sequer dançar o tango.

Rui Morrison parece aliviado e agradecido por não ter de pôr à prova a simpatia que só recentemente ganhou pelo tango. Já no caso de Ruy de Carvalho, casado com uma bailarina, confessa-se apaixonado e bem sucedido na difícil coreografia das histórias de amores e desencontros de quem dança o tango.

O filme "A Morte de Carlos Gardel" foi rodado sobretudo em Lisboa, tendo como décor principal o Hospital de Santa Maria, mas também nos concelhos de Oeiras, Sintra e Almada.

Do elenco fazem parte, entre outros, os actores Ruy de Carvalho, Rui Morisson, Carlos Malvarez, Teresa Gafeira, Albano Jerónimo, Elisa Lisboa, Elmano Sancho, Joana de Verona, Maria João Pinho, Diogo Dória e Joana Bárcia.  

"A Morte de Carlos Gardel" é produzido pela Fado Filmes e podem consultar mais informações sobre a rodagem do filme no blog  carlosgardelfilme.blogspot.com

 

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema PortuguêsRodagem