Marine Vacth por François Ozon
Marine Vacth: no centro das convulsões dramáticas de "Jeune & Jolie"

Cannes dia 2: JEUNE & JOLIE  

Marine Vacth por François Ozon

Fiel ao espírito melodramático da sua filmografia, François Ozon reaparece na competição de Cannes com um belo filme: "Jeune & Jolie". E revela uma actriz que, por certo, vai dar que falar: Marine Vacth.

Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Marine Vacth por François Ozon
Jeune & Jolie O retrato de uma jovem de 17 anos em 4 estações e 4 canções.

Um festival de cinema não tem a "obrigação" de revelar (muito menos impor) novas estrelas. Seja como for, nada disso impede que um certame deste teor possa funcionar como momento emblemático de reconhecimento e promoção de um actor ou uma actriz.

Marine Vacth, protagonista do novo filme do francês François Ozon, pode muito bem vir a ser a estrela anunciada por Cannes 2013. E não apenas pela descrição que o belo filme de Ozon consagra: "Jeune & Jolie" (selecção oficial, competição). Acontece que ela dá mostras de uma estranha intensidade, tecida de paradoxal contenção, assumindo uma personagem de 17 anos (de facto, já fez 23) que escapa a qualquer estereótipo da adolescência.

Isabelle (Vacth) é uma jovem que tem a sua primeira experiência sexual durante umas férias com a família, precisamente no Verão em que completa 17 anos. Ozon filma-a num ciclo de quatro estações, pontuadas por outras tantas canções de Françoise Hardy, em que Isabelle passa da sua relativa passividade para uma actividade regular como prostituta, num trajecto que vai pôr em causa a sua estabilidade familiar e, mais do que isso, a percepção da sua própria identidade.

Fiel à vertente mais melodramática da sua obra, tecida de um elaborado suspense emocional (lembremos Swimming Pool, de 2003), Ozon faz um filme que desafia, ponto por ponto, as imagens convencionais do masculino/feminino. Mais do que isso: se há uma dimensão social no seu cinema, "Jeune & Jolie" é uma angustiada crónica sobre uma adolescência que passou a ser encarada como um mundo à parte, sem real conexão com a dinâmica dos adultos. Na respectiva conferência de imprensa, Ozon explicitou a raiz do seu interesse por tais problemas: "Conservo uma memória assaz dolorosa e difícil da minha adolescência."

por
publicado 20:54 - 16 maio '13

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2013