O formalismo contra os actores
Emmanuelle Bercot e Vincent Cassel — os actores são o melhor do filme

Cannes 2015  

O formalismo contra os actores

Cannes exibiu mais um trunfo francês na corrida para os prémios: "Mon Roi", realizado por Maïwenn, é uma história das atribulações de um par que vale, sobretudo, pelas composições de Emmanuelle Bercot e Vincent Cassel.

Trailer/Cartaz/Sinopse:
 O formalismo contra os actores
Mon Roi Tony acaba de ser internada num centro de reabilitação para recuperar de uma grave lesão no joelho. Levará algum tempo a aprender a andar de novo e a conseguir recuperar o equilíbrio. Ao sofrimento físico somam-se as memórias da sua vida passada. Uma vida que, há muitos anos, consiste apenas em tentar livrar-se da influência de Georgio, o vilão que a destruiu lentamente e com quem teve um filho.
Artigo recomendado:
O formalismo contra os actores
Cannes 2015
Drama judicial na abertura de Cannes Catherine Deneuve destaca-se no filme de Emannuelle Bercot. O festival de Cannes começou com um filme menos festivaleiro

Actriz e cineasta francesa, Maïwenn (n. 1976) deve muito da sua projecção ao impacto do seu filme "Polissa", distinguido com o Prémio do Júri na edição de Cannes/2011. Ela distinguiu-se, afinal, pela afirmação de um cinema colado ao quotidiano, alicercado num realismo à flor da pele que passa, no essencial, pelo elaborado trabalho dos actores.

O seu novo filme, "Mon Roi", prolonga a mesma lógica. Para narrar os altos e baixos, quase sempre dramáticos e convulsivos, do par formado por Georgio e Tony (sendo "Tony" uma mulher), Maïwenn aposta em criar uma sucessão vertiginosa de cenas que se distinguem por uma espécie de naturalismo compulsivo, aliás reforçado por uma montagem que se quer sempre acelerada e imprevisível.

O novo filme acaba por se distinguir pelas mesmas virtudes e, sobretudo, as mesmas limitações de "Polissa". Que é como quem diz: a certa altura, podemos questionar se aquilo que importa mais são as singularidades dos seres humanos retratados ou a exibição (tendencionalmente exibicionista) de um método de filmagem que, importa reconhecê-lo, se mostra tecnicamente muito ágil.

Na teia formalista de "Mon Roi", acabam por ser os actores a matéria fílmica mais interessante. Vincent Cassel compõe, num misto de ironia e crueldade, um homem que vive sempre no ziguezague das suas desorganizadas finanças. Mas o destaque vai para Emmanuelle Bercot, a mulher que experimenta no corpo (a começar pelo acidente que a atinge logo na cena de abertura) as contradições comportamentais do seu par — curiosamente, Bercot assina "La Tête Haute", o filme que, extra-concurso, serviu de abertura a este Festival de Cannes.

por
publicado 23:59 - 17 maio '15

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2015