Estreias  

O punk segundo John Cameron Mitchell

Demorou um ano a chegar às salas de cinema de todo o mundo... Com Elle Fanning, Alex Sharp e Nicole Kidman, "Como Falar com Raparigas em Festas" é uma visão insólita do punk assinada pelo cineasta de "O Outro Lado do Coração".

O punk segundo John Cameron Mitchell
Nicole Kidman dirigida por John Cameron Mitchell — excesso e subtileza
Crítica de
Subscrição das suas críticas
125
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 O punk segundo John Cameron Mitchell
Como Falar Com Raparigas em Festas Em Londres (Croydon para se ser mais específico...) de 1977, Enn (Alex Sharp) e dois dos seus jovens amigos estão à procura de uma noite inesquecível, não tendo interesse nos festejos do Jubileu de Prata da Rainh a, que decorrem na quietude dos subúrbios. Quando não são admitidos na festa de Boadicea (Nicole Kidman), a matriarca punk local, decidem entrar sem convite numa festa da qual tinham ...

Assim vai o mercado (nacional e internacional) a tratar os filmes "pequenos". Que é como quem diz: "Como Falar com Raparigas em Festas" foi um dos títulos da selecção oficial de Cannes em... 2017. Agora, quer dizer, um ano depois, surge nas salas de quase todo o mundo, incluindo os EUA... Pergunta-se: como é que o mercado rentabiliza o próprio efeito de actualidade que um filme pode envolver?

Dito isto, registe-se o facto de estarmos perante mais um sugestivo exemplo do labor de um cineasta americano realmente não-alinhadoJohn Cameron Mitchell é, de facto, um exemplo modelar de genuína independência, tendo assinado títulos tão singulares como "Hedwig - a Origem do Amor" (2001), "Shortbus" (2006) e "O Outro Lado do Coração" (2010), este uma admirável adaptação da peça "Rabbit Hole", de David Lindsay-Abaire, que valeu a Nicole Kidman uma nomeação para o Oscar de melhor actriz (em Portugal, apenas conhecido através do DVD).

Nicole Kidman volta a ser dirigida por Mitchell em "Como Falar com Raparigas em Festas", assumindo os traços de 'Queen Boadicea', símbolo do clima punk, em Londres, no final da década de 1970 — uma composição em que o excesso se combina com a subtileza. Inspirado numa conto de Neil Gaiman, esta é, afinal, uma aventura que oscila entre as memórias históricas e o artifício mais ou menos "futurista" de uma insólita ficção científica.

Também com Elle Fanning e Alex Sharp entre os principais intérpretes, o trabalho de Mitchell parece ter ficado condicionado por uma produção não totalmente controlada (porventura demasiado acelerada para as exigências dramáticas da própria história). Ainda assim, "Como Falar com Raparigas em Festas" consegue afirmar-se como um objecto alheio a tendências ou modas — um pequeno ovni perdido na voragem do mercado.

Crítica de João Lopes
publicado 23:07 - 26 maio '18

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes