O realismo contundente de Jacques Audiard
Claudine Vinasithamby e Jesuthasan Anthonythasan — do Sri Lanka para cenários franceses

Cannes 2015  

O realismo contundente de Jacques Audiard

Jacques Audiard reaparece na secção competitiva do Festival de Cannes com um drama centrado num refugiado do Sri Lanka — um drama intenso que se conta entre o melhor da (fraca) representação francesa.

Trailer/Cartaz/Sinopse:
 O realismo contundente de Jacques Audiard
Dheepan - Refúgio Dheepan é um combatente pela independência Tamil, um tigre. Com o fim próximo da guerra civil no Sri Lanka, Dheepan decide fugir. Leva consigo a esposa e uma menina que não conhece, na esperança de obter mais facilmente asilo político na Europa. Chegados a Paris, saltam de um lar provisório para outro, até que Dheepan consegue emprego como guarda de uma obra nos subúrbios. Dheepan espera ...
Média Cinemax:
3.313

Mesmo que se possa considerar que o filme "Dheepan" apresenta um desenvolvimento claramente do domínio da ficção, não há dúvida que, no interior da secção competitiva de Cannes, terá sido dos que surgiram mais directamente envolvidos com o nosso aqui e agora (europeu). Isto porque no seu centro surge um homem do Sri Lanka, Dheepan (Jesuthasan Anthonythasan, magnífico actor), que se refugia em França.

Aliás, a história envolve Dheepan — e ainda de uma mulher, Yalini (Kalieaswari Srinivasan), e uma menina, Illayaal (Claudine Vinasithamby) — é a saga de uma falsa família: os três partem juntos, fugindo à guerra, simulando uma unidade familiar. Ao chegarem à estranheza de Paris e da língua francesa, para mais começando a viver num bairro problemático, tudo se vai complicar...

Como sempre, o realizador Jacques Audiard distingue-se pela energia de um realismo contundente, dir-se-ia que trabalhando a encenação a partir de modelos da reportagem. Além do mais, a odisseia de Dheepan não pode deixar de expor as fronteiras interiores de uma sociedade em que o desejo de harmonia e diversidade nem sempre encontra correspondência nas condições de vida dos menos poderosos.

"Dheepan" não terá a consistência narrativa de títulos anteriores de Audiar, nomeadamente "Um Profeta" (2009) e "Ferrugem e Osso" (2012). Seja como for, veio compensar as desilusões acumuladas pela produção francesa presente em Cannes (em especial com "Marguerite & Julien", de Valérie Donzelli). E não será demasiado arriscado prever que alguma distinção lhe estará reservada no palmarés.

por
publicado 00:10 - 22 maio '15

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2015