Os Últimos Dias de Getúlio: co-produção luso brasileira em rodagem no Rio de Janeiro
Primeira imagem da co-produção luso brasileira "Os Últimos Dias de Getúlio Vargas".

Cinema Português  

"Os Últimos Dias de Getúlio": co-produção luso brasileira em rodagem no Rio de Janeiro

A co-produção entre a Midas e a Copacabana Filmes, protagonizada por Tony Ramos, aborda os dias que antecederam o suicídio do presidente brasileiro.

Retratando o período final da vida de Getúlio Vargas, personagem fundamental do século XX brasileiro, a longa-metragem “Os Últimos Dias de Getúlio”, realizada por João Jardim e uma co-produção entre a Copacabana Filmes e a Midas, está em rodagem no Rio de Janeiro.

Na rodagem do filme participam três actores portugueses – Fernando Luís, José Raposo e Thiago Justino – e o director de som Pedro Melo.

Autor de documentários com grande notoriedade internacional – “Lixo Extraordinário”, “Janela da Alma”, “Pro Dia Nascer Feliz e “Amor?” – João Jardim assina com este filme a sua primeira-obra de ficção que é ao mesmo tempo um projecto de enorme ambição.

Getúlio Vargas foi Presidente do Brasil ao longo de mais de quinze anos, numa primeira fase aí colocado por uma revolução militar nos anos 30 e mais tarde, em 1950, como presidente eleito. Mas o seu segundo mandato, que duraria apenas quatro anos, ficou marcado pelo seu suicídio - num dia do mês de Agosto de 1954 -, num desenlace vertiginoso quando Vargas se vê sozinho perante uma conspiração envolvendo, mais uma vez, altas patentes militares e que prenunciava já a ditadura que se instalaria no Brasil dez anos depois.

Vargas foi um dirigente populista e um personagem profundamente complexo e as circunstâncias que o levaram ao suicídio, num curto espaço de dias em que se vê cercado e traído por quase todos, um tempo fascinante. No filme, Vargas é interpretado por Tony Ramos, ao lado de actores como Alexandre Borges (Carlos Lacerda, jornalista e inimigo número um do presidente) e Drica Moraes (filha de Vargas).

Fernando Luís interpreta Benjamim Vargas, o irmão do presidente, José Raposo o Brigadeiro Nero Moura, ministro da Aeronáutica, e Thiago Justino é Gregório Fortunato, o chefe da guarda pessoal de Vargas e mandante do atentado contra Lacerda.

O filme, que entre nós tem também apoio do ICA (ao abrigo do Protocolo Luso-Brasileiro), e cuja pós-produção será em parte também efectuada em Portugal, estreará no próximo ano.

por
publicado 22:28 - 11 julho '13

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Português