Os consagrados, as realizadoras e o cinema de acção
O dinamarquês Lars Von Trier novamente no topo do planeta cinema

Cannes 2011  

Os consagrados, as realizadoras e o cinema de acção

O alinhamento do 64º Festival de Cannes tem sangue novo entre autores consagrados, além de uma presença muito forte e inédita de realizadoras.

Artigo recomendado:
Os consagrados, as realizadoras e o cinema de acção
64º Festival de Cinema de Cannes
Novo filme de Woody Allen abre Cannes 41º filme do cineasta, que reúne talentos franceses e norte-americanos, estreará na noite inaugural. Trailer e cartaz já foram difundidos.

É inevitável começar por avaliar o calibre da selecção oficial da 64ª edição do Festival de Cannes através dos autores veteranos ou com sucesso na história do evento que voltam a marcar presença. Dos 20 talentos na competição há três cineastas que apresentam filmes na expectativa de repetir a proeza de ganhar a Palma de Ouro.

"Melancholia", do dinamarquês Lars von Trier, "Habemus Papam", do realizador Nanni Moretti, e "Le Gamin au Vélo", dos belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne, são as obras novas de cineastas premiados anteriormente com a Palma de Ouro e formam o núcleo central desta selecção oficial.

Na competição surge "La Piel que Habito", que marca uma incursão do espanhol Pedro Almodóvar no cinema de terror. É o filme do aguardado reencontro com António Banderas - nunca tinham trabalhado juntos desde "Ata-me", em 1990.

O realizador regressa a Cannes, onde apresentou quatro dos cinco filmes que realizou desde 1999, perseguindo uma Palma de Ouro que lhe foge (o melhor que conseguiu foram prémios de realização e argumento).

O contingente europeu é o mais forte desta competição e apresenta outros filmes de autores que tal como Almodóvar são presença regular e já estiveram em palmarés de edições anteriores, mas nunca tiveram o privilégio de receber uma Palma de Ouro. "Le Havre" do finlandês Aki Kaurismäki, "Once Upon A Time In Anatolia", do turco Nuri Bilge Ceylan, e "This Must Be The Place", do italiano Paolo Sorrentino, com Sean Penn.

A quota francesa é preenchida pelas obras "L'apollonide" (Souvenirs de la Maison Close)" de Bertrand Bonello, "Pater", de Alain Cavalier, "Polisse", de Maïwenn, e "The Artist," de Michel Hazanavicius.

Neste festival de Cannes só há um realizador norte-americano em competição. Mas é um talento em reclusão que suscita sempre expectativa em torno dos seus filmes. Terence Mallick, 67 anos, cinco filmes, desvenda, finalmente, o muito aguardado "A Árvore da Vida".

O festival esperou um ano para o estrear, assegurando a exibição em competição e marcando o regresso de Mallick, que ganhou o prémio de realização, em 1978, com "Dias do Paraíso". É um ante estreia enriquecida pela presença de Brad Pitt e Sean Penn.

Selecção Oficial com forte apelo feminino


Da esquerda para a direita no sentido dos ponteiros do relógio: Lynne Ramsaey, Julia Leigh, Maïwenn e Naomi Kawase

Na competição pela Palma de Ouro surgem quatro cineastas jovens. A actriz francesa Maïwenn ("Polisse" é o terceiro filme que realiza), a escocesa Linne Ramsey ("We Need to Talk About Kevin", terceiro filme e um regresso a Cannes onde marcou presença em secções paralelas com os filmes anteriores), a japonesa Naomi Kawase ("Hanezu no Tsuki"), a mais experiente do quarteto e já consagrada com o Grande Prémio do Júri.

O festival acolhe a estreia na realização da escritora australiana Julia Leigh, com "Sleeping Beauty". Esta promete ser a projecção controversa de Cannes, já que é um drama erótico sobre uma estudante universitária interpretada por Emily Browning (uma das estrelas de "Sucker Punch").

A aposta em tantos talentos femininos é pouco usual – Jane Campion foi a única cineasta a ganhar a Palma de Ouro em 64 edições do festival – mas revela a capacidade da direcção artística do festival promover novos talentos.

Esse gosto pela renovação também sucede com a incursão de uma primeira obra do austríaco Markus Schleinzer (“Michel”) e com a selecção de “Footnote”, do israelita Joseph Cedar (nomeado para o Oscar de Melhor filme estrangeiro com “Beaufort”, o seu filme anterior).

Luzes, Cannes… acção!
O festival dá outro passo surpreendente ao colocar dois filmes de acção na competição pela Palma de Ouro. O dinamarquês Nicolas Winding Refn vai apresentar “Drive”, o seu thriller sobre o submundo das corridas de automóveis e do cinema. Numa escolha mais arrojada o festival seleccionou “Hara-kiri: Death of a Samurai”, de Takashi Miike (um cineasta predilecto de Veneza…), o primeiro filme 3D a concorrer pela Palma de Ouro.

O festival procura atenuar a fronteira tradicional e que existe entre cinema artístico e os filmes de acção. Os filmes de género também são filmes.

Cannes cultiva bem essa fusão de estilos no compromisso que estabelece entre arte e glamour. Os filmes da competição garantem a presença de bons talentos – Sean Penn em duplicado (“A Árvore da Vida” e “This Must Be The Place), António Banderas no filme de Almodóvar, John C. Reilly e Tilda Swinton em “Let’s Talk About Kevin” , Kirsten Dunst em “Melhancolia”, e o par Ryan Goslin e Carey Mulligan em “Drive”.

Mas é preciso sair da competição principal para encontrar os nomes mais populares: desde logo, Johnny Depp e Penélope Cruz na ante estreia de "Piratas das Caraíbas: Por Estranhas Marés", de Rob Marshall.

A jovem estrela em ascensão Mia Wasikowska em “Restless”, de Gus Van Saint, programado na abertura da secção paralela Un Certain Regard; e também a actriz/realizadora Jodie Foster que irá mostrar "The Beaver", o filme que marca o regresso de Mel Gibson após uma prolongada crise familiar e um processo judicial que desgastou a imagem pública do actor.

Na noite de abertura e encerramento há brilho de estrelas: Catherine Deneuve e Chiara Mastroianni na gala de fecho com Les Biens-aimés”, de Christophe Honoré; Owen Wilson, Marion Cottilard, Rachel McAdams e Carla Bruni na noite inaugural com “Midnight in Paris”, de Woody Allen.

E por falar em Carla Bruni… será que ela fica para ver "The Conquest", de Xavier Durringer, uma ficção que se antevê cáustica sobre a ascensão de Nicolas Sarkozy ao poder? É um dos filmes da selecção oficial fora de competição que promete gerar controvérsia… algo que Cannes nunca dispensa.

Selecção Oficial 64ª edição do festival de Cannes
49 longas metragens de 33 países diferentes, incluindo 44 ante estreias mundiais e 20 filmes em competição pela Palma de Ouro.

Presidentes dos júris: Robert De Niro (selecção oficial), Emir Kusturica (Un Certain Regard) e Michel Gondry (curtas-metragens)
.

Filme de abertura: Midnight in Paris, Woody ALLEN
Filme de encerramento:Les Bien-aimés, Christophe HONORÉ

Selecção Oficial - Competição (Palma de Ouro)

Drive, Nicolas WINDING REFN
Footnote, Josef CEDAR
Hanezu no Tsuki, Naomi KAWASA
Hara-kiri: Death of a Samurai, Takashi MIIKe
The Kid With a Bike, Jean-Pierre and Luc DARDENNE
L'apollonide (Souvenirs de la maison close), Bertrand BONELLO
Le Havre, Aki KAURISMAKI
Once Upon a Time in Anatolia, Nuri Bilge CEYLAN
Melancholia, Lars von TRIER
Michael, Markus SCHLEINZER
Pater, Alain CAVALIER
Polisse, Maïwenn
La Piel Que Habito, Pedro ALMODÓVAR
Sleeping Beauty, Julia LEIGH
La Source des Femmes, Radu MIHAILEANU
This Must Be the Place, Paolo SORRENTINO
A Árvore da Vida, Terrence MALICK
Habemus Papam, Nanni MORETTI
We Need to Talk About Kevin, Lynne RAMSAY
The Artist, Michel HAZANAVICIUS

Selecção Oficial Un Certain Regard - Competição

Arirang, KIM Ki-duk
Bonsai, Cristian JIMENEZ
The Day He Arrives, HONG Sang-soo
Et maintenant on va ou?, Nadine LABAKI
Halt auf freier Strecke, Andreas DRESEN
Hors Satan, Bruno DUMMONT
The Hunter, Bakur BAKURADZE
Les Neiges du Kilimandjaro, Robert GUEDIGUIAN
L'exercisce de l'etat, Pierre SCHOELLER
Loverboy, Catalin MITULESCU
Martha Marcy May Marlene, Sean DURKIN
Miss Bala, Gerardo NARANJO
Restless, Gus Van SANT
Oslo, August 31st, Joachim TRIER
Skoonheid, Oliver HERMANUS
Tatsumi, Eric KHOO
Trabalhar Cansa, Juliana ROJAS e Marco DUTRA
Toomelah, Ivan SEN
The Yellow Sea, NA Hong-jin
Bé Omid é Didar (Good Bye), Mohammad RASOULOF
"Elena", de Andrei ZVYAGINSTEV

Selecção ofical - Fora de competição

The Beaver, Jodie FOSTER
La Conquéte, Xavier DURRINGER
Piratas das Caraíbas: Em Estranhas Marés, Rob MARSHALL
In Film Nist (This is Not a Film), de Jafar PANAHI

Selecção Oficial - Sessões da Meia-noite

Wu Xia, Peter Chan HO-SUN
Dias de gracia, Everardo GOUT

Selecção Oficial - Projecções Especiais

Labrador, Frederikke ASPOCK
Le Maitre des Forges de l'enfer, Rithy PANH
Michel Petrucciani, Michael RADFORD
Tous au Larzac, Christian ROUAUD

por
publicado 18:21 - 10 maio '11

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2011