Paolo Sorrentino diz adeus à Netflix

Cannes 2022  

Paolo Sorrentino diz adeus à Netflix

A aventura Netflix terminou para o realizador italiano Paolo Sorrentino, que não deseja voltar a colaborar com a plataforma de streaming. Terça-feira, defendeu o cinema nas salas durante um debate organizado em redor do 75º aniversário do Festival em Cannes.

Artigo recomendado:
Paolo Sorrentino diz adeus à Netflix
Cannes 2022
Desfile de estrelas celebra os 75 anos de Cannes Uma sucessão de estrelas, de Gael García Bernal a Sophie Marceau, Jake Gyllenhaal, ou Léa Seydoux, e uma comédia de Louis Garrel: o ...

O Vencedor do Óscar de melhor filme internacional com "A Grande Beleza" disse sobre a possibilidade de voltar a trabalhar com a Netflix que "não creio que seja algo que volte a fazer". Paolo Sorrentino falou juntamente com outros grandes nomes da indústria cinematográfica como Guillermo del Toro, Costa-Gavras, ou Cristian Mungiu, que debateram o "futuro do cinema".

O seu filme "A Mão de Deus", que competiu no Festival de Veneza em setembro de 2021 e narra uma tragédia pessoal - a morte acidental dos pais por envenenamento por monóxido de carbono - foi lançado online na Netflix.

"Já trabalhei para vários suportes, já fiz filmes para cinema, televisão, mas no final, o que prefiro é fazer filmes da forma como o fiz quando comecei. É no grande ecrã que se encontra todo o poder de uma história", salientou o napolitano, que também dirigiu a série "O Jovem Papa" com Jude Law para a Sky e a HBO.

"A televisão não é o lugar certo para fazer grandes e belas coisas". Também sentiu que "as pessoas cansar-se-ão de ver filmes em casa e voltarão para os cinemas".

O director mexicano Guillermo del Toro, que está a colaborar com a Netflix em vários projectos, defendeu-se ao dizer que estava "em paz com as mudanças de formato", dizendo que o importante era "contar histórias". "Estamos a debater o tamanho do ecrã, ou o tamanho das ideias?"

Para o delegado geral do Festival, Thierry Frémaux, "a batalha que vamos travar é conseguir que os filmes produzidos por plataformas passem pelas salas de cinema". As regras do festival excluem da competição os filmes que não sejam lançados nas salas de cinema francesas.

Enquanto os grandes autores já não hesitam em ir às plataformas (casos de Scorsese, ou Jane Campion na Netflix, em breve Ridley Scott na Apple...) e os hábitos dos espectadores, aparentemente, estão a mudar, Frémaux expressou várias vezes o desejo de mudar a regra, mas os expositores franceses, no quadro do Festival, continuam a opor-se determinadamente a qualquer alteração.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2022