Estreias  

Política, memórias e solidão

O cineasta russo Andrei Konchalovsky continua a ser um paciente e obstinado analista da história colectiva: em "Caros Camaradas!", revisita o ano de 1962, para abordar um episódio trágico da vida da URSS

Política, memórias e solidão
Yuliya Vysotskaya: revisitando memórias traumáticas da história soviética
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Política, memórias e solidão
Caros Camaradas! Uma cidade provinciana no sul da URSS, 1962. Para Lyudmila, uma devota funcionária do Partido Comunista e veterana idealista da Segunda Guerra Mundial, tudo o que representa um sentimento antissoviético, é um flagelo. Com outros funcionários do Partido Local, ela é apanhada de surpresa por uma greve na fábrica local, na qual a sua própria filha participa. À medida que a situação se descontrola ...

Lyuda, a personagem central de "Caros Camaradas!" (interpretada pela extraordinária Yuliya Vysotskaya) vive numa encruzilhada em que o sentido comunitário se vai transfigurando em desesperada solidão. Por um lado, face à repressão exercida pelas forças do seu próprio partido — o Partido Comunista da URSS —, não pode deixar de sentir um profundo desgosto; por outro lado, numa idealização à beira do delírio, esforça-se por continuar a acreditar naquilo que seria a "pureza" dos seus ideais, ilusoriamente vividos na época de Estaline.

Dito de outro modo: "Caros Camaradas!" é um filme ágil e subtil que sabe colocar em cena uma dinâmica colectiva sem perder de vista as contradições individuais. Mais concretamente, trata-se de abordar um episódio trágico do comunismo na URSS: em 1962, uma greve dos trabalhadores de uma fábrica de locomotivas, na cidade de Novocherkassk, foi violentamente reprimida pelo exército e elementos do KGB, tendo sido mortas, a tiro, durante uma manifestação, várias dezenas de pessoas.

"Caros Camaradas!" representa, assim, mais um capítulo fundamental do trabalho de Andrei Konchalovsky, ainda e sempre empenhado em revisitar determinadas conjunturas históricas com uma paixão obstinada pelos factos, sem ceder a esquematismos políticos ou panfletários — lembremos o exemplo de um dos seus títulos mais recentes, "Paraíso" (2016), cruzando três histórias de outras tantas personagens durante a Segunda Guerra Mundial.

O exemplo de "Caras Camaradas!" é tanto mais envolvente e perturbante quanto Konchalovsky relança o seu gosto realista, paradoxalmente espelhado pela admirável fotografia a preto e branco, assinada por Andrey Naydenov. Este é um cinema que nasce de um enfrentamento da memória, na certeza de que a sua preservação constitui uma componente ética de qualquer argumentação política.

A esse propósito, lembremos o lugar traumático que o massacre Novocherkassk ocupa na história do regime soviético. As suas repercussões, aliás, o seu silenciamento (já que, na altura, foi "decretada" a proibição de as testemunhas divulgarem o que tinha acontecido) foi tão intenso que a investigação oficial do que tinha ocorrido só teve lugar em 1992, já depois do fim da URSS.  

Crítica de João Lopes actualizado às 23:01 - 06 maio '21
publicado 23:00 - 06 maio '21

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes