SOLONDZ, Todd
Todd Solondz — símbolo da produção independente "made in USA"

DVD Memória  

SOLONDZ, Todd

Mesmo trabalhando com actores da chamada lista A de Hollywood, Todd Solondz nunca deixou de pertencer ao domínio muito particular do cinema independente dos EUA — "Uma Vida de Cão" é o seu filme mais recente.

Talvez não seja por acaso que, com alguma frequência, Todd Solondz recorra nos seus filmes a temas clássicos de compositores como Tchaikovsky, Chopin ou Camille Saint-Saëns. Dir-se-ia que as suas histórias provêm de um mundo antigo em que os seres humanos vivem marcados por uma noção primitiva de culpa. Assim acontece com Dawn Wiener, personagem central do filme que projectou Solondz para os circuitos internacionais — foi em 1995 e chama-se “Welcome to the Dollhouse”.


Todd Solondz ocupa um lugar paradoxal no panorama do chamado cinema independente americano. Jim Jarmusch, por exemplo, um autor da mesma geração, é alguém que filma a América interior como uma paisagem de onde as suas personagens saem ou tentam sair, em movimentos mais ou menos utópicos. No caso de Solondz, ninguém sai, todos estão prisioneiros de um sistema de ideias e valores que se querem puros e redentores. Talvez por isso, o seu filme mais simbólico, e também mais angustiado, intitula-se “Felicidade".


“Felicidade” surgiu em 1998 e tinha no seu elenco, entre outros, o grande Philip Seymour Hoffman. Três anos mais tarde, portanto em 2001, estreava-se “Storytelling”, ou seja, “Conta-me Histórias”, uma revisão tão desencantada quanto irónica do Sonho Americano devidamente pontuada pelas canções dos Belle and Sebastian.

Todd Solondz nunca deixou de recorrer a actores da chamada lista A de Hollywood. Encontramos, por exemplo, Allison Janey em “A Vida em Tempo de Guerra”, uma produção de 2009, ou, dois anos mais tarde, Selma Blair e Christopher Walken em “Diário de um Falhado”. O certo é que nada disso alterou o seu espírito independente, fiel às pequenas produções montadas fora dos grandes estúdios. O seu filme mais recente, “Uma Vida de Cão”, lançado em 2016, é tudo isso e também um insólito retrato de um simpático cãozinho, um “salsicha” sempre bem disposto, que vai conhecendo vários donos, nem sempre tão ternurentos como ele — a canção-tema é-lhe dedicada, chama-se “Wiener Dog” e surge na voz de Eric William Morris.

por
publicado 00:27 - 04 agosto '19

Recomendamos: Veja mais Artigos de DVD Memória