Sequela do documentário Uma Verdade Inconveniente vai incluir saída dos EUA do Acordo de Paris

Mais Cinema  

Sequela do documentário "Uma Verdade Inconveniente" vai incluir saída dos EUA do Acordo de Paris

A Paramount Pictures decidiu acrescentar elementos referentes à recente decisão do presidente dos EUA.

A sequela do documentário "Uma Verdade Inconveniente", obra que aborda os perigos do aquecimento global e que tem como figura condutora o ex-vice-Presidente americano Al Gore, vai incluir a saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris.

A informação foi avançada pela publicação especializada americana Variety.

Intitulado na versão original "An Inconvenient Sequel: Truth to Power", o documentário vai chegar às salas de cinema a 28 de julho, mas o estúdio Paramount Pictures decidiu acrescentar elementos referentes ao anúncio que foi feito na quinta-feira pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

"A montagem final vai abordar o que aconteceu", indicou Katie Martin, porta-voz do estúdio, em declarações à publicação americana.

O ex-vice-Presidente dos Estados Unidos Al Gore mantém-se como figura condutora deste documentário que vai relatar como o Acordo de Paris foi alcançado em dezembro de 2015.

Para Gore, a decisão de Trump é "imprudente e indefensável", segundo referiu num comunicado.

"Enfraquece a posição dos Estados Unidos no mundo e ameaça prejudicar a capacidade da humanidade de resolver a tempo a crise climática. Mas não há dúvidas: se o Presidente não liderar, então as pessoas irão fazê-lo", acrescentou.

Este novo documentário, realizado por Bonni Cohen e Jon Shenk, integrou uma nova secção do Festival de Sundance (maior festival de cinema independente norte-americano), intitulada The New Climate, dedicada à reflexão e à discussão sobre o meio ambiente.

A obra inclui intervenções de Trump, ainda como candidato à Casa Branca, nas quais graceja sobre as alterações climáticas e o aquecimento global.

Durante a campanha para as presidências norte-americanas, Donald Trump criticou duramente o Acordo de Paris e as alterações climáticas, um fenómeno que chegou a caracterizar como uma "invenção" dos chineses.

O documentário "Uma Verdade Inconveniente" ("An Inconvenient Truth" na versão original) foi realizado por Davis Guggenheim e, em 2007, venceu o Óscar de melhor documentário.

Trump anunciou na quinta-feira que os Estados Unidos iam abandonar o Acordo de Paris, justificando a decisão com a desvantagem que o acordo climático representa para o país.

Concluído em 12 de dezembro de 2015 na capital francesa, assinado por 195 países e já ratificado por 147, o acordo entrou formalmente em vigor em 04 de novembro de 2016, e visa limitar a subida da temperatura mundial reduzindo as emissões de gases com efeito de estufa.

Portugal ratificou o acordo de Paris em 30 de setembro de 2016, tornando-se o quinto país da União Europeia a fazê-lo e o 61.º do mundo.

O acordo histórico teve como "arquitetos" centrais os Estados Unidos, então sob a presidência de Barack Obama, e a China.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Mais Cinema