Serebrennikov em Cannes: está pronto para apagar Chekhov ou Dostoyevsky?

Cannes 2022  

Serebrennikov em Cannes: "está pronto para apagar Chekhov ou Dostoyevsky?

O realizador russo respondeu a críticas ucranianas na apresentação do seu filme "A Mulher de Tchaikovsky".

Artigo recomendado:
Serebrennikov em Cannes: está pronto para apagar Chekhov ou Dostoyevsky?
Cannes 2022
Ucranianos em Cannes pedem exclusão total dos russos "Não podem fingir que tudo está bem", afirma um produtor.

"Está pronto para apagar Chekhov, Dostoyevsky, Tolstoy e outros génios russos?", reagiu à AFP o cineasta e crítico do regime russo Kirill Serebrennikov, dizendo ao mesmo tempo que "compreende" os ucranianos que ficaram incomodados com a sua presença em Cannes.

A sua presença no Festival de Cannes na quarta-feira para apresentar "A Mulher de Tchaikovsky", um dos filmes na corrida à Palma de Ouro, atraiu fortes críticas de representantes de cineastas ucranianos, que apelaram a que fosse apagado "tudo o que é russo".

"Antes de mais, devo dizer que compreendo porque é que eles dizem o que dizem. Compreendo que se encontram numa situação terrível, que as pessoas estão a perder as suas vidas, as suas casas (...) Para eles, é até difícil ouvir a língua russa. Compreendo muito bem que", explicou o realizador de "Leto" (2018) e "Petrov's Flu" (2021).

"Mas cortar tudo o que é russo seria um grande erro e estou feliz por o Festival de Cannes ter escolhido a solução certa", acrescentou.

O Festival de Cannes anunciou no final de março que iria proibir cineastas russos próximos do governo, mas não fecharia a porta a críticos do regime. Algumas semanas mais tarde, o diretor do evento, Thierry Frémaux, disse que a Ucrânia estaria "na mente de todos" durante o festival, com vários filmes ucranianos agendados.

Ninguém deve ser banido por causa da nacionalidade

Uma posição saudada pelo director de 52 anos, que acredita que as pessoas não devem ser "banidas por causa da sua nacionalidade".

Conhecido pelas suas criações iconoclastas, pelo apoio à causa LGBT+ e pela crítica indirecta ao regime de Putin, Kirill Serebrennikov, está pela terceira vez em competição em Cannes.

Nas vezes anteriores, nunca pôde acompanhar os seus filmes ao festival após ter estado envolvido num processo por alegado desvio de fundos.

Sempre tomou uma posição pública contra a diminuição das liberdades na Rússia e as guerras do Kremlin no estrangeiro, e tem participado em manifestações. Na quarta-feira, apelou ao fim da guerra na Ucrânia, após a projecção do seu filme.

Serebrennikov foi questionado em Cannes por alguns ucranianos que afirmaram que "toda a sua carreira foi financiada por dinheiro do governo russo", mas o cineasta esclareceu à AFP que o seu filme foi financiado "por empresas russas independentes", bem como por "fundos europeus".

"Perguntam-me sobre o papel de Abramovich (um oligarca russo), proprietário de um dos fundos que financiaram o meu filme. Abramovich é alguém que ajudou muitos projectos de arte contemporânea, ONGs (...) e é alguém que tem estado nas negociações entre a Ucrânia e a Rússia", explicou.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2022