Só se morre duas vezes
Adam Driver em "Annette", um filme com actores em estado de graça

CANNES 2021  

Só se morre duas vezes

Bela escolha para o arranque oficial da 74ª edição do Festival de Cannes: "Annette", de Leos Carax, é uma experiência de cinema cujo lirismo se cruza com o artifício do teatro e a pulsão trágica da ópera.

Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Só se morre duas vezes
Annette Passado na Los Angeles contemporânea, “Annette” conta a história de Henry (Adam Driver), um comediante de stand-up com um sentido de humor intenso, e Ann (Marion Cotillard), uma cantora mundialmente famosa. Na ribalta, são o casal perfeito, saudáveis, felizes e charmosos. O nascimento da sua primeira filha, Annette, uma menina misteriosa com um destino excecional, mudará as suas vidas.

Todas as sinopses são enganadoras... mas o leitor fica avisado. Assim, "Annette", filme de Leos Carax que abriu oficialmente o 74º Festival de Cannes, conta a história de um amor grandioso vivido por dois seres de muitas singularidades: Henry, um profissional de stand-up de Los Angeles, e Ann, cantora lírica de fama mundial...

O certo é que estamos perante um filme musical. E, para mais, com canções dos velhinhos Sparks, sempre a oscilar entre a pop mais primitiva e uma energia rock que, estranhamente ou não, os aproxima da ópera. Aliás, o próprio Carax talvez não fique chocado se chamarmos ao seu filme um "musical operático". E no sentido mais depurado que a designação possa envolver. Ou seja: contaminado por um prematuro pressentimento de tragédia.

Henry e Ann têm uma filha, de seu nome Annette, evento que ainda mais acentua as sugestões trágicas. Porquê? Digamos apenas que Annette não é uma criança como as outras, parecendo funcionar mesmo como um sinal de aviso para as ilusões românticas dos pais: não há amor que não transporte um assombramento mortal. Ou ainda: antes de se morrer de morte natural, morre-se dentro do amor.

Enfim, Carax move-se nas suas paisagens de eleição, a ponto de, trinta anos depois, "Annette" ter qualquer coisa de reinvenção lírica de "Os Amantes da Ponte Nova" (1991). Com essa visceral componente formal que faz com que a verdade mais íntima do cinema se multiplique através do assumido artifício do teatro. Sem esquecer, claro, que nada disso poderia acontecer sem actores em estado de graça: Marion Cotillard, bien sûr, e o monumental Adam Driver naquela que é uma das composições mais arrojadas, e também mais perfeitas, da sua filmografia.

por
publicado 00:22 - 07 julho '21

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2021