Um thriller intimista
DiCaprio observado por satélite: os poderes da tecnologia

Mais CinemaMais CinemaCinema Norte-americano  

Um "thriller" intimista

Com "O Corpo da Mentira", Ridley Scott reencontra o modelo do "thriller", agora num tom colado aos corpos e às emoções.

São muitas as informações — nomeadamente de natureza televisiva — que todos os dias recebemos, dando-nos conta das convulsões da geopolítica e, muito em particular, das tensões no Médio Oriente. Tratar essas informações para além das convenções dos telejornais constitui, por certo, um dos mais estimulantes desafios que, hoje em dia, pode ser assumido por uma cinema genuinamente político.

O novo filme do inglês Ridley Scott é um bom exemplo de resposta a tal desafio. Trata-se, afinal, de abordar as actividades de um operacional da CIA (Leonardo Di Caprio) e, em particular, as suas relações com o superior hierárquico (Russell Crowe) que, a partir dos EUA, coordena a sua actividade. Tais relações são mesmo um vector decisivo em "O Corpo da Mentira", uma vez que a sua passagem por um aparato tecnológico de satélites altamente sofisticados permite-nos perceber como mudou a percepção do planeta e das relações entre os seres humanos.

Scott retoma, assim, um velho modelo de "thriller", colado aos corpos e às emoções, em que, irremediavelmente, cada um (incluindo o espectador) acabará por enfrentar os silêncios e hesitações do seu próprio discurso moral. Ao mesmo tempo, "O Corpo da Mentira" reflecte a consolidação de um estilo realista na figuração da guerra que, na obra de Scott, tem um momento charneira em "Cercados/Black Hawk Down" (2001).

À margem do filme, fica o sentido equívoco do título português. Desde logo, porque "O Corpo da Mentira" é uma expressão sem nexo, nem mesmo metafórico. O original "Body of Lies" significa, à letra, "Corpo de Mentiras" (no plural), remetendo a palavra "corpo" para uma ideia de "conjunto" ou "sistema". Provavelmente, uma tradução fiel ao espírito do filme seria 'Teia de Mentiras'.

O CORPO DA MENTIRA
De Ridley Scott, com Leonardo DiCaprio, Russell Crowe, Mark Strong

por
publicado 17:25 - 29 janeiro '09

Recomendamos: Veja mais Artigos de Mais CinemaMais CinemaCinema Norte-americano