Estreias  

Uma actriz a filmar actrizes

Na cerimónia dos Oscars, foi um dos símbolos da produção independente de Hollywood: "Lady Bird" consagra o trabalho de Greta Gerwig (na dupla condição de realizadora e argumentista) e das actrizes Saoirse Ronane e Laurie Metcalf.

Uma actriz a filmar actrizes
Saoirse Ronan e Greta Gerwig — rodagem de "Lady Bird"
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Uma actriz a filmar actrizes
Lady Bird Em “Lady Bird”, Greta Gerwig revela-se como a nova e arrojada voz cinematográfica, nesta sua estreia como realizadora, explorando o humor e a emoção na turbulenta ligação entre uma mãe e a sua filha adolescente. Apesar de Christine “Lady Bird” McPherson (Saoirse Ronan) lutar contra isso, é exatamente igual à extremamente apaixonada, profundamente opinativa e muito teimosa mãe (Laurie Metcalf), ...

Que faz uma actriz quando filma outras actrizes?... Pois bem, cria condições práticas e conceptuais, objectivas e subjectivas, para valorizar o seu trabalho. É isso mesmo que acontece em "Lady Bird", filme de Greta Gerwig, centrado em duas belíssimas composições de Saoirse Ronan e Laurie Metcalf — as suas cinco nomeações para os Oscars, além da categoria de melhor filme, foram, aliás, para Gerwig (realização e argumento original), Ronan e Metcalf (actriz e actriz secundária, respectivamente).

Vale a pena recordar que conhecemos Gerwig, antes do mais, através dos filmes de Noah Baumbach, com destaque para "Frances Ha" (2012). Vimo-la também, por exemplo, em "Para Roma, com Amor" (2012), de Woody Allen, "A Humilhação" (2014), de Barry Levinson, ou "Mulheres do Século XX" (2016), de Mike Mills — e sempre com um misto de gravidade e ironia que a inclui numa multifacetada tradição que vai de Judy Hollyday a Jane Fonda.

A vibração emocional de "Lady Bird" decorre, por certo, de alguma dimensão auto-biográfica. Ou melhor: Gerwig filma uma relação mãe/filha que tem a sua cidade-natal — Sacramento, California — como cenário principal, mesmo se toda a história surge atravessada pelo desejo da filha rumar a Nova Iorque, eventualmente seguindo uma carreira nas artes dramáticas.

"Lady Bird" está marcado por muitas situações que, como é óbvio, identificamos como típicas de um modelo de (melo)drama familiar em que as clivagens entre gerações desempenham um papel determinante. Ao mesmo tempo, Gerwig e as suas actrizes escapam a qualquer cliché, mantendo o filme num registo de contrastes e surpresas que, em última instância, revaloriza uma matriz narrativa enraizada no património de Hollywood, em particular num certo cinema social & realista das décadas de 60/70.

Na cerimónia dos Oscars, "Lady Bird" não obteve qualquer distinção. Mas não foi, de modo algum, um dos "derrotados" da noite. Aliás, vale a pena contrariar a noção moralista segundo a qual os prémios da Academia de Hollywood são uma espécie de corrida "futebolística" para consagrar os que ficam em primeiro lugar... A sua simples presença nas nomeações serviu de testemunho e símbolo de um cinema genuinamente independente que não desiste de filmar os seres humanos e as suas contradições — com alegria e tristeza, drama e humor.

Crítica de João Lopes
publicado 14:09 - 09 março '18

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes