Alain Cavalier revisitaa sua própria história de amor

Cinema EuropeuMais Cinema  

Alain Cavalier revisita
a sua própria história de amor

Vindo dos tempos da Nova Vaga, Alain Cavalier recorda, em "Irène", a actriz Irène Tunc. E fá-lo utilizando apenas uma pequeníssima câmara de video.

Há uma estupidez "cinéfila" que tenta fazer crer que os franceses só fazem filmes pretensiosos e intelectuais (e é sabido como, em Portugal, a palavra "intelectual" pode ser aplicada como um insulto...). Como reagir face a tal preconceito? Pois bem, recusando generalizações e tentando ver o que os filmes são, caso a caso.

Que é, então, "Irene"? Digamos que é um objecto que se debruça sobre uma belíssima história de amor. Quase 40 anos depois, o realizador Alain Cavalier tenta reflectir sobre Irène Tunc (1935-1972), actriz francesa com quem casou em 1965 — a sua morte brutal, num acidente de automóvel, deixou uma herança de dor e desencanto que só agora foi possível revisitar.

Um dos aspectos mais espantosos dessa revisitação é o modo como Cavalier utiliza uma pequeníssima câmara de video — igual a tantas que muitos de nós adquirimos — para construir uma espécie de bloco-notas afectivo. Aliás, o ponto de partida são também os diários (dos anos de 1970, 1971 e 1972) em que ele próprio ia anotando as atribulações da sua vida com Irène e, por vezes, a estranha solidão em que a descobria.

Cineasta vindo dos tempos da Nova Vaga, consagrado pelos Césares do cinema francês em 1986, com o filme "Thérèse", Cavalier mostra aqui como continua a ser um criador de invulgar ousadia — em boa verdade, não é simples, nem em termos emocionais nem no plano cinematográfico, olhar a sua própria história com esta frieza e também com tanta e tão tocante serenidade.

 


Poster de «Irene»

IRÈNE

Alain Cavalier, realizador, e Irène Tunc, actriz. Marido e mulher. Trinta anos depois da sua morte ele faz um filme sobre ela, numa homenagem à memória de um amor que partiu. Regressando aos seus diários, escritos alguns anos antes e depois do acidente de automóvel, de câmara digital na mão e usando-se das suas memórias, Alain conta a história dos tempos em que viviam uma vida feliz.

De Alain Cavalier com Alain Cavalier, Catherine Deneuve, Vanessa Widhoff; Documentário, Drama; 83m; M/12; FRA; 2009

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema EuropeuMais Cinema