Estreias  

Uma história de amor num mundo global

O alemão Wim Wenders dirige a sueca Alicia Vikander e o escocês James McAvoy em "Submersos", uma história de amor vivida em tempos de globalização — um filme sobre o que somos e, sobretudo, o que julgamos ser.

Uma história de amor num mundo global
Alicia Vikander e James McAvoy: personagens à deriva numa paisagem estrangeira
Crítica de
Subscrição das suas críticas
145
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Uma história de amor num mundo global
Submersos “Submersos” é uma história de amor que nos leva até aos mundos diametralmente opostos dos seus dois protagonistas, Danielle Flinders (Alicia Vikander) e James More (James McAvoy). Eles encontram - se, por mero acaso, num hotel remoto na Normandia onde ambos se preparam para perigosas missões. Apaixonam - se, contra a sua própria vontade, mas rapidamente ...

São vários os títulos da filmografia de Wim Wenders em que a odisseia das personagens começa na sua condição de estranhos/estrangeiros nas paisagens em que circulam. Lembremos apenas os casos exemplares de "O Estado das Coisas" (1982), em grande parte rodado em cenários portugueses, "Até ao Fim do Mundo" (1991) ou "Terra da Abundância" (2004).

"Submersos" constitui mais um capítulo exemplar dessa deriva em que as identidades se jogam e, no limite, se destroem em lugares de contagiante estranheza. Com uma inusitada (embora não inesperada) componente romântica. Esta é a história da paixão que une uma cientista que investiga o fundo do mar na Gronelândia e um engenheiro hidráulico, na verdade membro dos serviços secretos britânicos, em missão no leste de África — ela é a sueca Alicia Vikander, ele o escocês James McAvoy.

O mínimo que se pode dizer é que raras vezes (talvez nunca...) Vikander e McAvoy se tenham exposto, assim, num tal misto de comoção e vulnerabilidade. Wenders é, de facto, um cineasta capaz de dirigir os seus actores de modo a valorizar a sugestão subtil, muito para além das explosões emocionais. No limite, esta é, de facto, uma história de amor num mundo global.

Entenda-se: a globalização não é, para Wenders, um tema tecnocrático que nos leva a celebrar a possibilidade de falarmos por telemóvel com qualquer ser humano do outro lado do planeta... O que ele encena é essa sensação, de uma só vez instantânea e perturbante, de a proliferação dos canais de comunicação ser também uma rede imensa de solidões. Filme do presente, para o presente, "Submersos" é também um espelho do que somos — e, sobretudo, do que julgamos ser.

Crítica de João Lopes actualizado às 12:24 - 26 maio '18
publicado 15:22 - 25 maio '18

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes