Veneza 77 apresenta filmes da competição oficial

 

Veneza 77 apresenta filmes da competição oficial

Um ano de menos escolhas e grandes dificuldades produziu uma lista austera, talvez menos espetacular, mas com algumas propostas interessantes.

Artigo recomendado:
Veneza 77 apresenta filmes da competição oficial
"Listen" de Ana Rocha de Sousa e "The Shift" de Laura Carreira na edição 2020 do Festival de Veneza Uma longa e uma curta-metragem vão representar Portugal no primeiro grande acontecimento cinematográfico presencial após a pandemia.

Os organizadores da edição 2020 do Festival de Veneza apresentaram hoje a lista de filmes da competição oficial. No que será o primeiro dos grandes certames mundiais de cinema a ter lugar presencialmente após o início da pandemia, o diretor do festival, Alberto Barbera, revelou uma presença limitada de títulos norte-americanos, com apenas três filmes, "The World to Come", com realização de Mona Fastvold, com Casey Affleck, Vanessa Kirby, Katherine Waterston e Christopher Abbott; "Nomadland", de Chloé Zhao, com Frances McDormand; e "The Duke", de Roger Michell, com Jim Broadbent e Helen Mirren.

Outros destaques da secção que compete pelo Leão de Ouro incluem o documentário em que Nathan Grossman retrata a figura da ativista sueca Greta Thunberg, e "Pieces of a Woman", do húngaro Kornel Mundruczo, a sua estreia em filmes falados em inglês, com Vanessa Kirby e Shia LeBeouf.

Entre os veteranos do festival italiano encontram-se os nomes de Amos Gitai, que regressa com "Laila in Haifa" e Andrei Konchalovsky que apresenta "Dear Comrades".

Num esforço para equilibrar a presença de homens e mulheres entre os realizadores selecionados, Veneza apresenta uma principal secção competitiva com 44% dos filmes dirigidos por mulheres (8 em 18 filmes), um recorde.

Com menos potenciais candidatos aos Oscares ("Joker" passou por Veneza no ano passado e os italianos, juntamente com Toronto, passaram a ser uma das montras mais eficazes para posicionar filmes a tempo da temporada de prémios de cinema), e sem uma única presença da Netflix (que, diga-se, tem apostado bastante menos em filmes de prestígio como "Roma", ou "Marriage Story", exibidos em edições anteriores), este ano, Veneza volta a ser mais um festival para cinéfilos ao reunir produções de um leque alargado de países e com cineastas bastante interessantes.

Cate Blanchett será a presidente do júri internacional composto integralmente por europeus onde pontuam a realizadora britânica Joanna Hogg, a atriz francesa Ludivine Sagnier, a austríaca Veronika Franz (realizadora), o alemão Christian Petzold (realizador), o romeno Cristi Puiu (realizador) e o argumentista italiano Nicola Lagioia.

O Festival de Veneza 2020 começa a 2 de setembro com a projeção (fora de competição) de "Lacci", do italiano Daniele Luchetti, e prolonga-se até 12 de setembro.

Competição oficial do 77º Festival de Veneza
  • "In Between Dying" de Hilal Baydarov (Azerbeijão, EUA)
  • "Le Sorelle Macaluso" de Emma Dante (Itália)
  • "The World To Come" de Mona Fastvold (EUA)
  • "Nuevo Orden" de Michel Franco (México, França)
  • "Amants" de Nicole Garcia (França)
  • "Laila in Haifa" de Amos Gitai (Israel, França)
  • "Dear Comrades" de Andrei Konchalovsky (Rússia)
  • "Wife Of A Spy" de Kiyoshi Kurosawa (Japão)
  • "Sun Children" de Majid Majidi (Irão)
  • "Pieces Of A Woman" de Kornel Mundruczo (Canadá, Hungria)
  • "Miss Marx" de Susanna Nicchiarelli (Itália, Bélgica)
  • "Padrenostro" de Claudio Noce (Itália)
  • "Notturno" de Gianfranco Rosi (Itália)
  • "Never Gonna Snow Again" de Malgorzata Szumowska e Michal Englert (Polónia, Alemanha)
  • "The Disciple" de Chaitanya Tamhane (India)
  • "Und Morgen die Ganze Welt" de Julia Von Heinz (Alemanha e França)
  • "Quo Vadis, Aida?" de Jasmila Zbanic (Bósnia-Herzegovina, Roménia, Áustria, Holanda, França, Polónia, Alemanha)
  • "Nomadland" de Chloé Zhao (EUA)

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de