Veneza, dia 5: a solidão sexual
Michael Fassebender, um ator em estado de graça com um desempenho diabólico em "Shame"

"SHAME" de Steve Mcqueen  

Veneza, dia 5: a solidão sexual

Um filme sobre o desejo masculino é favorito para ganhar o Leão de Ouro e confirma que Michael Fassebender é o grande ator deste ano.

Média Cinemax:
4.625

O artista plástico Steve Mcqueen não perdeu a segunda oportunidade de causar um grande impacto na competição de um festival de cinema.

"Shame", o seu segundo filme, está a ser aclamado em Veneza, três anos depois de Mcqueen ter tido uma estreia promissora em Cannes, com "Fome - Hunger", um drama sobre a greve de fome do ativista irlandês Bobby Sands, que foi premiado com a Câmara de Ouro para melhor primeira obra.

"Shame" é um mergulho vertiginoso, sem restrições, nos desejos mais obscursos de  um homem solitário, um predador sexual, que é incapaz de controlar a sua pulsão permanente - está sempre pronto para seduzir, é um consumidor compulsivo de pornografia, revelando uma permanente insatisfação e um vazio profundo.

Ele é incapaz de estabelecer uma relação afetiva normal com outras mulheres, nomeadamente com a sua irmã (interpretada por Carey Mulligan num registo diferente do que lhe vimos até agora), de quem tenta manter uma distância física.

É um retrato de um libertino aprisionado, em Manhatan, que lembra outras figuras nova iorquinas marcantes ("American Gigolo", "American Psycho"...), e onde o ator Michael Fassebender surge diabólicamente sedutor, num desempenho arriscado e muito exposto.

Fassebender é o ator desta edição do festival de Veneza. Além deste papel, ele ressuscita Carl Jung em "A Dangerous Method", de David Cronenberg. São dois grandes desempenhos do ano cinematográfico (este ano também liderou o elenco de "X-Men: O Início") e ele é o favorito para receber o prémio de melhor ator, embora seja difícil escolher qual o papel a premiar.

Quanto a "Shame", tem a capacidade de dividir a plateia, gerando alguns apupos envergonhados e arrancando aplausos convictos. É o mais surprendente desta seleção e um sério candidato ao Leão de Ouro. Difícil de premiar em função da sua crueza e do seu conteúdo mais explícito? Independentemente disso será o filme que perdurará quando o festival terminar.

por
publicado 22:35 - 04 setembro '11

Recomendamos: Veja mais Artigos de Veneza 2011