Veneza, dia 7: o tanque de guerra
Yoav Donat é Shmulik o jovem atirador no tanque israelita

Veneza 2009GuerraMais Cinema  

Veneza, dia 7: o tanque de guerra

Um filme israelita realizado por um ex-combatente que evoca a guerra no Líbano.  Eis a grande revelação do festival e o mais sério candidato ao Leão de Ouro.

O filme de guerra "Lebanon", de Samuel Maoz, coloca-nos novamente perante a violência da primeira guerra que Israel travou no Líbano, em Junho de 1982.

O realizador Samoel Maoz participou na invasão e perdeu toda a sua inocência quando aos 20 anos matou um homem. Vinte e cinco anos depois dessa experiência conseguiu escrever um argumento e rodar o filme "Lebanon".

Nao se trata de um objecto documental nem biográfico. Maoz encena a invasão do Líbano a partir de um tanque de guerra onde seguem quatro jovens soldados israelitas. 

Toda a narrativa é vivida nesse espaço fechado. O que acontece no exterior é pressentido através dos ruídos ou 
visível através do óculo do atirador, o único que consegue ver algo do que se passa em redor.

Maoz criou assim uma lente para filtrar a sua memória magoada e forçosamente imperfeita. Este dispositivo permite combinar realismo e hiper-realismo, elementos conscientes e sub conscientes.

"Lebanon" é um filme que encontra uma nova forma de vivenciar um cenário de guerra, é uma experiência sensorial, e um acontecimento que marca este festival.

Samuel Maoz confirma a capacidade do cinema israelita para lidar de forma artisticamente criativa com a memória dessa guerra. Recordemos que há um ano Ari Folman, outro ex-combatente, que participou na invasão do Líbano, partilhou a sua memória dessa guerra no original "Valsa com Bashir".


>Ouça a reportagem

por
publicado 19:39 - 11 setembro '09

Recomendamos: Veja mais Artigos de Veneza 2009GuerraMais Cinema