Veneza, dia 7: um clássico selvagem
O estreante James Howson no papel principal de Heathcliff

"MONTE DOS VENDAVAIS", de Andrea Arnold  

Veneza, dia 7: um clássico selvagem

A escocesa Andrea Arnold regrassa à obra de Emile Brontë através de um filme de época nada académico.

Cinemax Rádio:
Outros Áudios
Diário de Veneza - dia 7 - "O Monte dos Vendavais"
Média Cinemax:
3

A produção britânica continua a surpreender pela positiva o Festival de Veneza. Após a apresentação de "Tinker, Tailor, Soldier, Spy", uma obra de John le Carré, foi a vez de Andrea Arnold mostrar, igualmente na competição, uma nova versão de "Monte dos Vendavais", o clássico literário escrito por Emile Brontë, em 1847, no Século XIX.

"Wuthering Heights" é uma versão muito livre e nada académica. Como sucedeu em anteriores adaptações ao cinema, Andrea Arnold foca apenas a primeira metade da história, que corresponde à relação entre Catherine e Heathcliff.

A sua visão é surpreendente porque adopta um formato 4:3, nada usual em produções de época, e utiliza a câmara ao ombro, compondo planos muito fechados. Deste modo, a realizadora valoriza o lado cru desta história de amor e acentua o impacto que o meio ambiente tem naquelas personagens.

O espaço exterior, agressivo, chuvoso, tempestuoso, é decisivo no filme definindo a época e a condição de vida da pequena comunidade rural onde acontece a história.

Uma outra inovação passou por centrar o enredo em Heathcliff, sendo que o protagonista masculino é interpretado por um ator negro, o estreante James Howson. A etnia da personagem nunca foi totalmente esclarecida, sendo que na obra de Brontë, ele é descrito como sendo um cigano de pele escura, e em filmes anteriores foi interpretado por Laurence Olivier, Timothy Dalton e Ralph Fiennes.

A opção de valorizar Heathcliff permite explorar como os maus tratos físicos nas crianças afetam a formação da personalidade, algo que Andrea Arnold tinha aflorado em "Fish Tank - Aquário" e "Red Road".

O filme poderá desapontar os puristas e os amantes do conto intemporal de romance e paixão. Mas Andrea Arnold alcança uma visão selvagem que traduz o espírito mais sombrio do livro.


por
publicado 20:07 - 06 setembro '11

Recomendamos: Veja mais Artigos de Veneza 2011