Vórtice de Guilherme Branquinho é melhor curta de terror portuguesa no MOTELX

Festival  

"Vórtice" de Guilherme Branquinho é melhor curta de terror portuguesa no MOTELX

"Vórtice", de Guilherme Branquinho, venceu no domingo o prémio de melhor curta-metragem portuguesa da 16.ª edição do MOTELX - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa, anunciou a organização.

O filme "leva o espectador numa viagem, da qual não consegue escapar do princípio ao fim - uma das coisas mais difíceis de conseguir num filme e um dos principais objetivos a atingir no género a que este festival se dedica", indicou o júri, em comunicado.

O júri integrou a jornalista Maria João Rosa, o artista musical Surma e o programador, comissário e editor Tiago Bartolomeu Costa.

O prémio Méliès d'argent - melhor curta europeia 2022 foi atribuído a "Censor of Dreams" (França), de Léo Berne e Raphael Rodriguez, enquanto o filme "Speak no Evil" (Dinamarca, Países Baixos), de Christian Tafdrup, conquistou a distinção de melhor longa-metragem europeia

"Celebramos um filme completo e complexo, defensor de uma ideia de cinema que em tudo alimenta o género: o mal só acontece porque o desejamos", indicou o júri sobre a curta "Censor of Dreams".

"Speak no Evil" é uma obra que se foca no "medo dos outros num mundo tão cheio de informação como de desconfiança. Pensem duas vezes antes de fazer novos amigos", acrescentou.

O júri atribuiu uma menção especial à curta-metragem "Reverso" (Portugal), de André Szankowski, para celebrar "uma personagem e uma interpretação, porque há filmes que se escondem atrás de traumas, e há quem finja normalidades para poder existir".

O festival desafiou os participantes a fazer uma microCURTA de terror até dois minutos com telemóvel, webcam ou tablet, categoria em que o trabalho vencedor foi "O Fantasma da Minha Infância", de Carolina Aguiar, Francisco Magalhães e Pedro de Aires.

Nesta escolha, o júri, composto pela argumentista, realizadora, atriz e editora Ana Correia aka Peperan, pelo guionista e ator André Mariño e pelo DJ, argumentista e ator Kiko is Hot, indicou que "de todas as curtas, foi a que conseguiu encaixar uma narrativa abstracta com a instalação de medo e acima de tudo uma conexão emocional".

O prémio do público foi para o filme "Deadstream" (EUA), de Joseph Winter e Vanessa Winter.

O 16.º MOTELX - Festival Internacional de Cinema de Terror de Lisboa teve início na terça-feira, dia 06, no cinema S. Jorge, em Lisboa, numa edição que contou com 12 curtas-metragens portuguesas em competição.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Festival