Estreias  

Woody Allen ou a arte de sonhar a preto e branco

Woody Allen voltou à Europa para filmar uma história vivida em pleno Festival de San de Sebastian: "Rifkin's Festival" celebra a cinefilia que o próprio cinema, como instituição e espaço profissional, parece já não conhecer.

Woody Allen ou a arte de sonhar a preto e branco
Wallace Shawn e Christoph Waltz: o cinema resiste dentro dos sonhos
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Woody Allen ou a arte de sonhar a preto e branco
Rifkin`s Festival O cinéfilo Mort Rifkin (Wallace Shawn) acompanha a mulher, a assessora de imprensa Sue (Gina Gershon), ao Festival de Cinema de San Sebastián, em Espanha, pois teme que o fascínio dela por um cliente, o jovem realizador Philippe (Louis Garrel), não seja meramente profissional. Mort espera ainda aliviar a pressão que sente para escrever um primeiro romance que corresponda aos seus exigentes ...

Que faz Christoph Waltz a imitar a figura da Morte no clássico "O Sétimo Selo" (1957), de Ingmar Bergman? E como é que Wallace Shawn assume o papel do cavaleiro medieval que pertencia a Max von Sydow?

Se acrescentarmos que a imagem faz parte do mais recente filme de Woody Allen, "Rifkin's Festival", podemos compreender que se trata de uma citação de um dos mestres do realizador. Mas o que importa esclarecer é o contexto onírico em que surge tal citação. De facto, a imagem pertence a um dos sonhos do americano Mort Rifkin (Shawn), ex-professor de cinema, durante a sua estadia no Festival de San Sebastian.

Reside aí, afinal, a "mensagem" amarga e doce de Woody Allen. Rifkin está em San Sebastian para acompanhar o festival — a sua mulher (Gina Gershon) trabalha para um cineasta especialmente concentrado no seu umbigo (Louis Garrel, em deliciosa e sarcástica composição) —, mas o gosto pelo cinema já só lhe chega através dos sonhos. "Morangos Silvestres" (1957), "Persona (1966), ambos também de Bergman, e "A Doce Vida" (1960), de Federico Fellini, são outras das reminiscências que redimem o seu sono...

Menosprezado pelo sistema de produção de Hollywood (em cuja história tem um lugar inamovível), Woody Allen prossegue, assim, a sua deambulação europeia, neste caso através de uma coprodução com Espanha, filmada em Sebastian e estreada no respectivo festival (há cerca de um ano).

Dir-se-ia que, através da continuada celebração da cinefilia clássica, Woody Allen faz uma espécie de "América-vista-da-Europa", por certo menor face aos melhores momentos da sua filmografia, mas essencial para entender a sua relação visceral com o cinema como arte singular de contar histórias. E com um realismo paradoxal: os sonhos de Rifkin são a preto e branco, não tanto para cumprir um cliché iconográfico, antes porque os filmes citados, ou melhor, sonhados, são... a preto e branco.

Crítica de João Lopes
publicado 22:14 - 23 setembro '21

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes