Wrestling em Portugal:a herança de Tarzan e o papel de Mickey

Mais CinemaMais Cinema  

Wrestling em Portugal:
a herança de Tarzan e o papel de Mickey

Bruno Almeida e Hugo Santos, lutador e árbitro de Wrestling, reconhecem realismo no desempenho de Mickey Rourke e acham que o filme foca o lado sombrio da modalidade. Há outras facetas para descobrir, numa modalidade que teve um campeão mundial português.

O mestre Tarzan Taborda, foi várias vezes campeão do mundo, não gostava de ensinar tudo o sabia sobre a arte da luta espectáculo, mas deixou seguidores. Bruno Almeida foi dos poucos que conseguiu ser treinado pelo mítico lutador, e tenta sublinhar a mensagem: Wrestling é confiança e segurança. Coordenadas essenciais para entrar no ringue onde se joga com o bem estar próprio e do outro.

O Wrestling em Portugal ainda está há procura de popularidade e um filme como "O Wrestler", que passa pelos festivais e chega aos Oscars, pode ajudar a angariar fans, mas também pode acentuar algumas reservas.

Bruno Almeida - General Manager, praticante há mais de dez anos, explica que o filme explora dramaticamente o que lhe convém, um lado negro e pesado da modalidade, que pode até ter sido imagem de marca no passado. Hoje em dia, uma lenda do Wrestling já não está exposta a combates perigosos, ou desafios que ameaçam a vida. No ringue, o espectáculo parece ter ganho à competição. O público gosta de ver estrelas antigas a brilhar, como quando Eusébio regressa ao estádio para dar o pontapé de saída de um jogo da selecção.

Mesmo assim, apesar do exagero dramáctico sobre a solidão do personagem de Mickey Rourke, o filme consegue captar o realismo da paixão com que se entregam fans e lutadores. Hugo Santos relembra que um wrestler pode terminar carreira perto dos 70 anos.

Entreter as audiências é uma das regras de ouro do wrestling, para isso é preciso personagens que lutam entre si, seguindo um guião pré definido. Mas as quedas, os encontrões, os movimentos agressivos são reais e deixam mazelas para o futuro. Nada que os impeça de sonhar com eventos e de querer treinar mais e melhor. Os dois, batem-se foram do ringue por uma imagem que possa corresponder à forma como praticam esta modalidade. Não é só desporto, diz Hugo Santos, é como o cinema acrescenta Bruno Almeida, é preciso parar de procurar falhas de realidade e entrar no espectáculo.


> Para saber mais sobre Wrestling em Portugal: www.wrestlingportugal.com

Ouça as opiniões de um lutador e um árbitro de wrestling entrevistados por Lara Marques Pereira

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Mais CinemaMais Cinema