Estreias  

Xavier Legrand: uma grande revelação

Vai ficar como um dos grandes cineastas revelados entre nós ao longo de 2018: o francês Xavier Legrand estreia-se na longa-metragem com "Custódia Partilhada", admirável drama familiar em torno de uma situação de divórcio.

Xavier Legrand: uma grande revelação
Léa Drucker e Thomas Gioria — no coração de um drama familiar
Crítica de
Subscrição das suas críticas
155
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Xavier Legrand: uma grande revelação
Custódia Partilhada O casal Besson divorciou-se. Para proteger o filho do pai que acusa de violência doméstica, Miriam pede a custódia total. Mas a juíza concede ao pai direito de visita. Refém entre os pais, Julien vai fazer tudo para evitar que o pior aconteça.

A descoberta de um autor — de um genuíno autor — é sempre um momento de euforia na nossa relação com os filmes e o cinema. Com Xavier Legrand, justamente, experimentamos essa sensação especial, rara, de estarmos perante a afirmação de um novo e invulgar talento: a sua primeira longa-metragem, "Custódia Partilhada", retomando a tradição francesa do melodrama familiar, vai ficar no mercado português como uma das revelações maiores de 2018.

O ponto de partida é tão esquemático quanto desarmante: Miriam e Antoine Besson (Léa Drucker e Denis Ménochet, respectivamente) vão divorciar-se, estando necessariamente em causa a situação da filha adolescente, Joséphine (Mathilde Auneveux), e do filho mais novo, Julien (Thomas Gioria)... Estamos, enfim, perante um cenário legal e emocional em que, desde os primeiros instantes, compreendemos que algo vai correr mal, algo vai explodir em alguma forma de violência.

Não é fácil descrever o que acontece, não porque as peripécias da história sejam obscuras ou imprevisíveis, antes porque Legrand se revela um espantoso cineasta de gestos e comportamentos de superfície que ocultam clivagens incomparavelmente mais radicais. Em termos especificamente cinematográficos, ele consegue dar a ver os espaços mais naturais e familiares, despindo-os de qualquer naturalismo, iluminando as suas clivagens sociais, afectivas e simbólicas.
 
Num tempo de muitas sistematizações simplistas e "sociológicas" dos problemas familiares e, por vezes, das situações de violência doméstica, Legrand propõe-nos o contrário de qualquer discurso generalista ou banalmente moralista. O que descobrimos em "Custódia Partilhada" envolve uma intimidade irrecusável e também irredutível a padrões universais. Sendo também um actor, com grande experiência teatral, Legrand investe de forma decisiva no complexo trabalho de composição dos seus intérpretes — adultos, adolescentes e crianças, são todos excepcionais.

Crítica de João Lopes
publicado 23:32 - 30 março '18

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes