Cultura

Conversa sobre lutas sindicais femininas no Teatro Baltazar Dias

No dia 9 de fevereiro, no âmbito da apresentação do espetáculo «Monólogo de uma mulher chamada Maria com a sua patroa», Sara Barros Leitão, Maria Ganança e Conceição Ramos estarão presentes numa conversa pública, intitulada «Lutas Sindicais Femininas», pelas 18 horas, na Praça Colombo, em frente ao Museu A Cidade do Açúcar.

Conversa sobre lutas sindicais femininas no Teatro Baltazar Dias

© DR

Sara Barros Leitão, atriz e encenadora, partiu da criação do primeiro Sindicato do Serviço Doméstico em Portugal para a conceção do espetáculo. A atriz sobe ao palco do TMBD para contar a história, ainda pouco conhecida, pouco contada, pouco reconhecida, pouco valorizada, do trabalho das mulheres, do seu poder de organização, reivindicação e mudança.

É a história das mulheres que limpam o mundo, das mulheres que cuidam do mundo, das mulheres que produzem, educam e preparam a força de trabalho. Esta é a história do trabalho invisível que põe o mundo a mexer.

Sara Barros Leitão retrata, neste espetáculo, a história da organização sindical das trabalhadoras de serviço doméstico, a partir da vida de Conceição Ramos, fundadora do primeiro sindicato de trabalhadoras de serviço doméstico, e outras tantas mulheres. Conceição Ramos foi durante 17 anos empregada doméstica e durante 6 anos dirigente do Sindicato das Trabalhadoras do Serviço Doméstico.

Maria Ganança participou nas principais lutas pela conquista de direitos das trabalhadoras domiciliárias, sobretudo bordadeiras. É uma das poucas pessoas vivas que participou na denominada Revolta das Águas, ou Luta das Águas, na Lombada da Ponta do Sol. Lutou, com apenas 16 anos, contra a PIDE, para que a água de rega roubada aos agricultores da Lombada lhes fosse devolvida. Esteve também na Luta pelo pagamento justo da cana-de-açúcar.

Fez parte da Direção do Sindicato dos Bordados, do Conselho Regional da União dos Sindicatos da Madeira e do seu departamento feminino. Fez parte de diversas parcerias internacionais tendo dado formação a bordadeiras na Madeira e em Cabo Verde. Esteve, em representação da sua estrutura sindical, na India na Turquia e noutros países aos quais ajudou a levar o nome do Bordado Madeira.

Esta conversa terá como mote as lutas sindicais, sendo que quer a Conceição Ramos, como a Maria Ganança, tiveram papéis cruciais em algumas das várias lutas sindicais femininas. Sara Barros Leitão irá moderar esta conversa, que aborda uma das temáticas principais do espetáculo, que estará em cena no Teatro Municipal Baltazar Dias, nos dias 11 e 12 de dezembro.

A entrada na conversa é gratuita.