Cultura

Rui Carita lança 4.º volume da obra sobre a história da Madeira

História da Madeira. Séc. XVIII – A Nova Arquitetura de Poderes é a nova obra da Imprensa Académica (IA), chancela editorial da Académica da Madeira, da autoria do historiador e professor Rui Carita.

© Académica da Madeira

A Madeira foi instituída no início do século XVI como diocese dos descobrimentos e das conquistas da Expansão portuguesa, com a sagração da sé do Funchal em 1517 e a elevação da mesma a sede de arcebispado, em 1533, embora por pouco tempo.

O século XVIII marcou, na Madeira, a efectivação da centralização régia, que as dificuldades de comunicação do século anterior não tinham facilitado, com a afirmação do poder do governador e capitão-general, do prelado diocesano e do provedor da fazenda, logicamente, nem sempre em perfeita consonância. Afirma-se, entretanto, a câmara do Funchal, como “cabeça desta Ilha”, correspondendo-se directamente com a corte de Lisboa, embora nem sempre a mesma lhe responda e acentua-se o domínio, quase absoluto, da produção e do comércio vinícola, tal como dos comerciantes britânicos, que só perto dos finais desse século encontram casas comerciais madeirenses para lhes fazer concorrência. Os contactos internacionais da sociedade madeirense levam à constituição das lojas maçónicas, o que implicou, depois, uma intensa perseguição, primeiro da Igreja e, depois, do governador, mas lançando, a curto prazo, as bases da implementação do Liberalismo, instituído nos inícios do século seguinte.