Desporto

Daniel Ramos não esperava uma derrota do Marítimo no Restelo

Daniel Ramos (Treinador do Marítimo): "Uma das preocupações que tenho é a sequência de jogos e isso pesa. Não esperava hoje, depois do jogo, ter a equipa tão cansada. Isso é uma das razões para o resultado de hoje. Mas isso não justifica tudo. Podíamos ter feito mais no processo ofensivo para criar mais dificuldades ao Belenenses. Não fomos tão pacientes para o conseguir fazer."

© DR/ Miguel A. Lopes (LUSA)

Um golo do defesa Nuno Tomás, a abrir a segunda parte, deu hoje a vitória ao Belenenses, por 1-0, na receção ao Marítimo em jogo da segunda jornada da I Liga portuguesa de futebol.

A primeira vitória do Belenenses, que corresponde à primeira derrota do Marítimo, coloca os madeirenses em alerta em vésperas de defrontarem o Dínamo de Kiev, no Funchal, na primeira mão do 'play-off' de acesso à Liga Europa.

Com sortes diferentes na ronda de abertura - Belenenses perdeu (1-0) com o Rio Ave e o Marítimo venceu o Paços de Ferreira (1-0) - a formação insular apresentou-se sem mexidas no ‘onze’ inicial, mas já Domingos Paciência promoveu a titularidade de Filipe Chaby, Yebda, Maurides e Roni, tendo ficado de fora Jesús Hernández, André Sousa e Persson (todos no banco de suplentes) e Juanto.

As alterações tornaram a equipa do Restelo mais afoita no primeiro tempo, com destaque para a exibição de Filipe Chaby, que teve três oportunidades de golo, mas foi Diogo Viana que colocou o ‘credo na boca’ da formação insular quando, aos 40 minutos, na zona de grande penalidade, em rotação, rematou para defesa apertada de Charles para canto.

Os comandados de Daniel Ramos apenas conseguiam incomodar a baliza de Muriel Becker através de livres direto, como aconteceu com Maurides e Luís Martins, aos 09 e 32 minutos.

Sem alterações no reinício da partida, o pontapé de saída pertenceu ao Belenenses, e, aos 47 minutos, Nuno Tomás colocou os 'azuis' a vencer na sequência de um livre cobrado por Filipe Chaby, a castigar uma falta de Luís Martins sobre Diogo Viana.

O Marítimo não acusou o golo sofrido, manteve-se sereno e não partiu desenfreadamente à procura do golo, mostrando até demasiada confiança, dando a entender que tinham capacidade para marcar. O que não aconteceu.

Ao invés, o Belenenses continuou de olhos postos na baliza de Charles e por muito pouco não ampliou a contagem, aos 74 minutos, por intermédio de Maurides, que viu a bola passar muito perto do poste esquerdo da baliza dos insulares.

O guardião Charles não ganhou para o susto, aos 78 minutos, quando Zainedine por pouco não colocou a bola na própria baliza na sequência de um livre direto cobrado por Pereirinha. Jogador que, aos 87 minutos, também desperdiçou o 2-0.

Na próxima jornada o Belenenses desloca-se ao Estádio da Luz para defrontar o tetracampeão nacional Benfica. Já o Marítimo recebe o Boavista.