Desporto

Sindicato de jogadores diz que recurso ao lay-off é "escandaloso"

O Sindicato de Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF) apelidou hoje de "escandaloso" o recurso ao regime de lay-off e considerou que os clubes profissionais devem comportar-se "de outra forma" perante os problemas financeiros causados pela pandemia de Covid-19.

Sindicato de jogadores diz que recurso ao lay-off é escandaloso

© DR

"É escandaloso que alguns clubes procurem recorrer aos apoios estatais desta forma, passando para a sociedade portuguesa a mensagem de que, em tempos de crise, não só não conseguem resolver os problemas que os afetam, como ainda vão exigir fundos que deveriam estar disponíveis, de forma imediata, para os portugueses e respetivos setores de atividade em risco de colapso", referiu o SJPF, em comunicado.

O sindicato presidido por Joaquim Evangelista condenou o que considera ser "uma atitude egoísta, que lesa todos os portugueses", tendo em conta que os próprios jogadores já "mostraram disponibilidade para uma negociação séria".

O SJPF deixou críticas ao Belenenses SAD, que "no domingo à noite, interpelou os seus jogadores, dando-lhes conhecimento" de que iria avançar para o lay-off, invocando não a "quebra de receitas, mas o encerramento total ou parcial da empresa, furtando-se deste modo à prestação de contas".

Desta forma, o sindicato de futebolistas pretende "convocar todas as entidades públicas e órgãos de governo do futebol, para a necessidade de pôr termo a uma atuação que lesa os jogadores, mas sobretudo os contribuintes e o país".

"O futebol tem capacidade de dar resposta a este problema, o futebol profissional pode e deve comportar-se de outra forma. Felizmente, há muitos clubes que, nas mesmas circunstâncias, adotaram uma atitude diferente, partilhada e na justa medida. A esses fica o reconhecimento e a disponibilidade dos jogadores para ultrapassar esta crise", conclui a nota emitida pelo SJPF.

O novo Coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil. Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 311 mortes, mais 16 do que na véspera (+5,4%), e 11.730 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 452 em relação a domingo (+4%).

Dos infetados, 1.099 estão internados, 270 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 140 doentes que já recuperaram.

C/Lusa