Economia

Administração Regional da Madeira gera cerca de 20 mil postos de trabalho

Uma diminuição em comparação com 2011, altura em que o setor foi reajustado, verificando-se uma diminuição de 646 postos (-3,0%). Segundo a Direção Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) existiam 20 707 postos de trabalho na Administração Regional da Madeira (ARM) a 30/06/2022.

Administração Regional da Madeira gera cerca de 20 mil postos de trabalho
De acordo com a informação divulgada pela Direção Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) existiam 20 707 postos de trabalho na Administração Regional da Madeira (ARM) a 30/06/2022. Em relação ao trimestre anterior, a variação foi de  menos 40 postos (-0,2%), verificando-se em termos homólogos um aumento de 506 postos (+2,5%). Comparativamente ao final de 2011 houve uma diminuição de 646 postos (-3,0%). 

Por sua vez, o Instituto de Segurança Social da Madeira, que segundo a classificação de unidades institucionais deve ser apresentado separadamente da ARM, contabilizou 1 300 postos de trabalho em 30/06/2022, aumentando 1 posto (+0,1%) face ao trimestre anterior. Em termos homólogos verificou-se uma diminuição de 65 postos (-4,8%). Em comparação com 31/12/2011 havia menos 111 postos (-7,9%).

Todos os subsetores da Administração Pública apresentaram aumentos nos postos de trabalho face ao período homólogo, com destaque para a Administração Regional dos Açores (+5,1%) seguido pela ARM (2,5%) e pela Administração Local (+2,3%). Os Fundos de Segurança Social (+1,2%) e a Administração Central (+1,1%) foram os subsetores nos quais se verificou um crescimento menos expressivo. No cômputo das Administrações Públicas, a variação homóloga foi de +1,5%. Comparativamente ao trimestre anterior, a Administração Regional dos Açores (+1,6%) e a Administração Local (+1,0%) foram as únicas a apresentar um aumento, bem como um crescimento acima da média das Administrações Públicas (+0,1%). Os subsetores da ARM, da Administração Central, dos Fundos da Segurança Social apresentaram um decréscimo de 0,2%.

A análise por carreira/grupo mostra que a contratação de trabalhadores para carreiras de técnico superior (saldo líquido entre entradas e saídas de (+152), assistente operacional (+110), assistente técnico/administrativo (+74), médico (+39), enfermeiro (+20) e de técnico de diagnóstico e terapêutica (+19), explica o crescimento homólogo no 2.º trimestre de 2022. Ao invés, a carreira de administração tributária e aduaneira (-8) e oficial dos registos e do notariado (-3) apresentaram diminuições em relação ao período homólogo. Analisando a repartição do emprego público por tipo de entidade, observa-se que no 2.º trimestre de 2022, os Estabelecimentos de Educação e Ensino Básico e Secundário concentravam 40,5% do total dos postos (41,6% um ano antes), seguido das Entidades Públicas Empresariais Regionais, com 29,2% (29,4% no período homólogo) e das Direções Regionais com 18,6% (17,9% no final do 2.º trimestre de 2021).

A ventilação por Secretaria Regional (S.R.), mostra que a S.R. da Educação, Ciência e Tecnologia é a responsável pelo maior número de trabalhadores, com 9 831 postos de trabalho (47,5% do total da ARM), enquanto as restantes Secretarias mantêm volumes de emprego compreendidos entre os 217 (S.R. de Mar e Pescas) e os 925 (Secretaria Regional das Finanças) postos de trabalho.