Economia

Atividade turística registou recorde mensal com quase um milhão de dormidas

As estimativas, referentes a junho de 2022, revelam que 88,9% dos estabelecimentos do alojamento turístico da Madeira e Porto Santo registaram movimento de hóspedes neste mês. A hotelaria concentrou 78,7% das dormidas, de junho de 2022, crescendo 164,9% em termos homólogos. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 142,1%.

Atividade turística registou recorde mensal com quase um milhão de dormidas
No mês de junho de 2022, estimou-se um total de 948,7 mil dormidas no alojamento turístico, traduzindo um acréscimo de 158,3%, em comparação com o mês homólogo (367,3 mil dormidas em junho de 2021). Excluindo o alojamento local com menos de 10 camas, as dormidas do alojamento turístico apresentaram um acréscimo de 159,0% relativamente a junho de 2021, superior ao observado no País, que foi de 110,2%. Os proveitos totais e os de aposento, em junho de 2022, apresentaram crescimentos homólogos de 196,2% e 205,1%, respetivamente, fixando-se, pela mesma ordem, nos 54,6 e 37,4 milhões de euros. No País, no mês em referência, os proveitos totais e de aposento observaram variações homólogas positivas, de 157,0% e 165,4%, respetivamente. Tal como sucede nas dormidas, o mês de junho de 2022 foi de recorde também para os proveitos.

A hotelaria concentrou 78,7% das dormidas, de junho de 2022, crescendo 164,9% em termos homólogos. Por sua vez, o alojamento local registou um aumento de 142,1%, congregando 19,2% do total de dormidas, enquanto o turismo no espaço rural e de habitação observou apenas 2,0% das dormidas, correspondendo a um acréscimo de 93,1%.

Analisando as dormidas nos principais mercados emissores, verificaram-se variações homólogas bastante positivas. O mercado alemão sobressaiu, registando o crescimento mais elevado, de 408,3%, seguido dos mercados britânico e francês, com aumentos de 314,3% e 155,1%. No mercado nacional, as dormidas também registaram um incremento face a junho de 2021 (+51,0%). Comparando o período de referência com junho de 2019 (período pré-pandemia), a atividade no alojamento turístico apresentou um crescimento de 23,1% nas dormidas, com o mercado de residentes no estrangeiro a registar um acréscimo de 12,8%. Considerando os principais mercados deste segmento, verificaram-se variações positivas no mercados alemão (+8,3%) e britânico (+3,9%), contrariamente ao mercado francês, que apresentou um decréscimo de 20,5%. O mercado nacional manteve a tendência de crescimento, que se tem observado nos últimos meses (+81,4% face a junho de 2019).

O valor da estada média, no total do alojamento turístico, no mês de junho de 2022, registou um aumento relativamente ao mesmo mês do ano anterior (4,56 noites), fixando-se nas 4,73 noites. A taxa de ocupação-cama do alojamento turístico, no mês em referência, foi de 71,5%, 32,9 pontos percentuais (p.p.) acima do observado no mês homólogo (38,6%). Por sua vez, a taxa de ocupação-quarto atingiu os 80,7% (42,9% em junho de 2021).
No mês de junho de 2022, o RevPAR (proveitos de aposento por quarto disponível) rondou os 72,10 euros no conjunto do alojamento turístico (excluindo o alojamento local abaixo das 10 camas), +128,9% que no mesmo mês do ano precedente. Comparativamente ao valor de junho de 2019 (49,08 euros), verifica-se um acréscimo, de 46,9%. Por sua vez, o proveito por quarto utilizado (ADR) no alojamento turístico passou de 73,52€ em junho de 2021 para 89,32€, em junho de 2022 (+21,5% de variação homóloga).

De sublinhar que para estas duas variáveis (RevPAR e ADR), aqueles valores são os segundos maiores de sempre, depois de agosto de 2021 (72,81€ e 92,47€, respetivamente).