Economia

Avaliação bancária de habitação aumentou em termos homólogos

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), em janeiro de 2021 o valor mediano de avaliação bancária de habitação na RAM fixou-se em 1 167 euros/m2, tendo registado um decréscimo de 1,3% em relação ao mês precedente e um aumento de 3,4% face ao mesmo mês do ano anterior.

Avaliação bancária de habitação aumentou em termos homólogos
Nos apartamentos, o valor mediano de avaliação bancária na RAM foi de 1 170 euros/m2, traduzindo uma variação de ‑1,8% comparativamente a dezembro de 2020 e de +3,2% face ao mês homólogo. Nas moradias, este indicador situou-se nos 1 161 euros/m2, superior em 0,3% ao valor observado em dezembro de 2020 e em 5,0% face ao valor do período homólogo.

A nível municipal, é de referir que o valor mediano de avaliação bancária no Funchal, em janeiro de 2021, fixou-se nos 1 440 euros/m2, superior ao mês precedente em 1,8%, tendo crescido 8,7% em termos homólogos.

Para além do Funchal, e no mês em referência, só ultrapassaram o número mínimo de observações registadas (33, conforme acima referido) os municípios de Santa Cruz e de Câmara de Lobos, cujos valores de avaliação bancária se fixaram em 1 040 euros/m2 e 1 071 euros/m2, respetivamente. O município da zona leste da ilha da Madeira registou um acréscimo mensal de 0,1% e homólogo de 6,2%. Câmara de Lobos observou uma evolução negativa de 0,5% em relação ao mês anterior e positiva de 4,6% em termos homólogos.

O valor mediano de avaliação bancária no País fixou-se em 1 170 euros/m2, mais 14 euros que no mês anterior (+1,2%). A variação homóloga foi de +6,1%.

Olhando para as 7 regiões NUTS 2 do país, os valores mais elevados foram observados na Área Metropolitana de Lisboa (1 537 euros/m2), e Algarve (1 528 euros/m2) surgindo, na posição seguinte, a RAM (1 167 euros/m2).