Economia

Movimento de passageiros nos aeroportos da RAM cresceu

Os aeroportos da RAM registaram, no 3.º trimestre de 2021, um movimento de passageiros na ordem dos 863,5 mil, que representou um aumento de 185,5% face ao mesmo trimestre de 2020.

Movimento de passageiros nos aeroportos da RAM cresceu
Movimento de passageiros nos aeroportos da RAM cresceu significativamente no 3.º trimestre de 2021, mas sem atingir os valores de 2019

Os aeroportos da RAM registaram, no 3.º trimestre de 2021, um movimento de passageiros na ordem dos 863,5 mil, que representou um aumento de 185,5% face ao mesmo trimestre de 2020. 

Comparativamente a idêntico trimestre de 2019, constata-se um decréscimo de 12,4%. Nos dois aeroportos da RAM houve um aumento do movimento de passageiros, com a Madeira e o Porto Santo a registarem variações homólogas de 184,0% e 202,3%, respetivamente. Os dois aeroportos ficaram contudo aquém dos valores de 2019, apresentando decréscimos de 13,2% na Madeira e 3,5% no Porto Santo. Entre janeiro e setembro, o movimento de passageiros nos aeroportos da RAM foi de aproximadamente 1 308,7 mil, significando um acréscimo homólogo de 41,2% e uma diminuição de 50,0% face aos valores registados nos primeiros 9 meses de 2019.

No que diz respeito à carga aérea, observou-se nos aeroportos da RAM, no 3.º trimestre do ano, um acréscimo em termos homólogos, tanto nas mercadorias descarregadas (32,1%), como nas carregadas (10,7%), mas se se comparar com igual trimestre de 2019, a tendência é negativa, de -23,6% nas mercadorias carregadas e de -3,0% nas mercadorias descarregadas. Em termos acumulados, e em comparação com o período homólogo, verificou-se igualmente um aumento em ambos os fluxos face a 2020 (+20,1% nas mercadorias descarregadas e +11,0% nas carregadas) e um decréscimo face a 2019 (-12,4% nas mercadorias descarregadas e -17,7% nas carregadas).

Transportes marítimos - Linha Madeira-Porto Santo recuperou ligeiramente no número de passageiros e o movimento de mercadorias cresceu no 3.º trimestre de 2021

No domínio dos transportes marítimos, contabilizaram-se, nos primeiros nove meses deste ano, 4 navios de cruzeiro entrados nos portos da RAM, menos 64 que em igual período do ano transato (-161 do que 2019), que originaram um movimento muito reduzido de passageiros em transito, de apenas 86 pessoas. No 3.º trimestre de 2021, registou-se uma escala de um navio sem passageiros em trânsito.

Na linha Madeira-Porto Santo, o número de passageiros, no 3.º trimestre do corrente ano, aumentou 1,8% em relação ao mesmo trimestre de 2020, aproximando-se dos valores de 2019 (-4,0%). Em termos acumulados, nos primeiros nove meses, o número de passageiros transportados foi de 196,4 mil, o que representa um valor ligeiramente superior ao do ano anterior (+0,4%; -33,0% face a 2019).

A variação do movimento de mercadorias nos portos da RAM, no trimestre em referência, foi globalmente positiva em comparação com o mesmo período dos últimos dois anos (+8,6% face a 2020; +2,3% face a 2019). Para esta variação contribuiu o acréscimo observado no descarregamento (+9,2%; +4,0%), bem como no carregamento (+4,6%; -8,4%) de mercadorias, mas neste caso apenas na comparação com 2020. A variação homóloga acumulada foi igualmente positiva (+6,0%) e transversal às mercadorias descarregadas (+5,7%) e carregadas (+8,5%), mas quando estabelecida a comparação com 2019 os valores são inferiores (-5,5% no movimento total de mercadorias, -5,8% nas mercadorias descarregadas e -3,1% das mercadoras carregadas).

De janeiro a setembro de 2021, registou-se a entrada de 1 229 embarcações de recreio nas marinas da Região, representando um acréscimo de 64,1% em comparação com o período homólogo (-17,5% face a 2019). Nestas embarcações contabilizaram-se 2 305 tripulantes e passageiros, +58,6% que em igual período do ano passado (-42,6% face a 2019). No 3.º trimestre de 2021, o acréscimo de embarcações foi mais acentuado (+81,6%), assim como em tripulantes e passageiros (+95,2%), mas relativamente ao mesmo trimestre de 2019 verificou-se uma ligeira quebra tanto no número de embarcações (-1,4%), como no número de tripulantes e passageiros (-5,8%).