Política

Funchal obtém poupança de 340 mil euros no fornecimento de combustíveis ao município

A Câmara do Funchal aprovou hoje, por unanimidade, a adjudicação do concurso internacional para o fornecimento de combustíveis nos próximos três anos, no valor de 2,34 milhões de euros, disse o presidente da autarquia, Miguel Gouveia.

"Relativamente ao valor base levado a concurso [2,68 milhões de euros] obteremos uma poupança de cerca de 340 mil euros nos próximos três anos", revelou o autarca, após reunião do executivo camarário.

Miguel Gouveia lembrou que este é o segundo concurso internacional para fornecimento de combustível à autarquia lançado sob governo da coligação que derrotou o PSD em 2013, inicialmente designada Mudança (PS/BE/PTP/PAN/PND/MPT) e a partir de 2017 Confiança (PS/BE/JPP/PDR/Nós, Cidadãos!).

O executivo municipal, composto por seis vereadores da Confiança, quatro do PSD e um do CDS-PP, aprovou também as contas consolidadas da câmara, incluindo as duas empresas municipais: SocioHabita Funchal, responsável pelos bairros sociais, e FrenteMar Funchal, que gere os complexos balneares e os parquímetros.

"Tenho o prazer de informar que este ano as duas empresas apresentaram resultados líquidos positivos, concorrendo também para a melhoria dos resultados do grupo municipal", referiu Miguel Gouveia.

O presidente da autarquia indicou que a dívida do grupo municipal - câmara e empresas - baixou de 54,4 milhões de euros para 36 milhões, o que traduz um "resultado excecional" e representa o "valor mais baixo" desde 2000.

"Para estes resultados, é importante salientar o desempenho dos administradores e funcionários das empresas municipais", disse Miguel Gouveia, sublinhando em particular a dedicação dos nadadores-salvadores, que deixaram de ser contratados apenas nas épocas balneares e integram, a partir deste ano, o quadro de pessoal da FrenteMar.

Miguel Gouveia assumiu este mês o comando da Câmara do Funchal, na sequência da saída de Paulo Cafôfo, candidato independente apoiado pelo PS à presidência do Governo da Madeira nas eleições de 22 de setembro.


LUSA