Sociedade

Bispo do Funchal pede uma campanha eleitoral com elevação

Na missa do Monte, D. Nuno Brás, criticou as campanhas eleitorais que assentam em “ataques pessoais”, na “desvalorização do outro candidato” e nas “calúnias”. Por isso a razão do apelo à "elevação do debate" político. Pediu que "este tempo de campanha eleitoral possa ser um tempo e um espaço de civilização”.

Chegou à Madeira em fevereiro deste ano e depois de olhar para dentro da igreja D. Nuno Brás dá sinais que está atento a toda a sociedade.

Na homilia proferida na missa do Monte, em honra da padroeira do Funchal, o bispo lembrou aos fiéis que “dentro de dias, a nossa Ilha vai entrar num período eleitoral, sempre decisivo para a sua vida como sociedade, como autonomia e como parte naturalmente integrante do todo nacional português”. 
D. Nuno Brás diz que “todos somos chamados a votar, e é importante que todos participem na escolha daqueles que desejamos fiquem à frente da nossa região e do nosso país por um período de 4 anos”. No entanto o Bispo do Funchal constata que “nos últimos tempos, mais que mostrar as suas propostas para a Região e o País, as campanhas eleitorais têm, infelizmente, sublinhado os ataques pessoais, a desvalorização do outro candidato, por vezes até através de calúnias”. Por isso a razão do pedido. “Faço, nesta celebração da solenidade de Nossa Senhora, nesta festa da nossa padroeira, um apelo sincero mas firme a todos os candidatos: que este tempo de campanha eleitoral possa ser um tempo e um espaço de civilização”, disse. 

A finalizar a intervenção, D. Nuno Brás vincou ainda que “no contraste natural que evidencia a diferença das ideias e das propostas; no mostrar a diferença das pessoas, das suas capacidades e projectos, peço que todos sejam capazes de manter a elevação do debate e o respeito pela dignidade dos intervenientes”.

Os apelos foram feitos na presença de vários políticos e governantes, entre eles o Representante da República para a Madeira, o Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, o presidente do Governo Regional da Madeira, o Vice-Presidente do Governo Regional da Madeira entre outros políticos que marcaram presença nesta solenidade.

D. Nuno Brás lembrou ainda as vítimas da queda da árvore do Monte. A tragédia que aconteceu há dois anos, a 15 de agosto de 2017, fez 13 mortos e 53 feridos.