Sociedade

Covid-19: Força Aérea já efetuou 13 voos de apoio ao arquipélago da Madeira

A Força Aérea realizou 13 voos de apoio à Madeira após a entrada em vigor das medidas de contenção da Covid-19, tendo transportado profissionais de saúde e cinco toneladas de equipamento de proteção individual, indicou hoje o Comando Operacional.

Covid-19: Força Aérea já efetuou 13 voos de apoio ao arquipélago da Madeira
"O voo mais recente da Força Aérea Portuguesa realizou-se esta tarde, tendo seguido para Lisboa cerca de uma dezena de militares do NRP 'Douro', navio da Marinha em comissão na região autónoma desde o início do ano", refere em comunicado, no qual a instituição faz o balanço de 75 dias de apoio das Forças Armadas no combate à pandemia de covid-19 no arquipélago da Madeira.

O Comando Operacional indica que foram utilizados aviões C130, C-295 e FALCON não apenas no transporte de profissionais de saúde e de material de proteção individual entre Lisboa e Funchal, mas também no transporte urgente de material hospitalar entre a Madeira e o Porto Santo.

No comunicado, lê-se ainda que o Exército instalou duas tendas, com seis camas cada, no espaço exterior afeto ao Hospital Central do Funchal, para triagem e realização de testes, e edificou um centro de acolhimento no Regimento de Guarnição n.º3 com capacidade para acolher até 42 doentes sem gravidade, que não requeressem internamento hospitalar.

"O apoio solicitado pelo Governo Regional da Madeira tem partido, essencialmente, da Secretaria Regional de Saúde e Proteção Civil, através do Serviço Regional de Proteção Civil (SRPC) e Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM), da Secretaria Regional de Inclusão Social e Cidadania e da Secretaria Regional de Educação, Ciência e Tecnologia", esclarece.

A pedido da Secretaria Regional de Inclusão Social e Cidadania, as Forças Armadas apetrecharam também o Centro de Alojamento para Sem-Abrigo, no Parque Desportivo dos Trabalhadores, no Funchal, com 50 camas articuladas, 50 cadeiras e 40 mesas.

Três equipas da Zona Militar da Madeira realizaram, por outro lado, ações de sensibilização e demonstração de procedimentos higienização e técnicas desinfeção de espaços escolares, em 22 estabelecimentos de ensino secundário e escolas profissionais, cobrindo os 11 concelhos da Madeira, a que assistiram mais de 800 pessoas.

As Forças Armadas colaboraram também na instalação da cerca sanitária em Câmara de Lobos (zona oeste da Madeira), com duas tendas para apoio às operações de controlo rodoviário na fronteira da freguesia, e forneceram equipamentos de proteção individual à GRB e ao Estabelecimento Prisional do Funchal.

"A resposta das Forças Armadas à emergência de saúde pública na Região Autónoma da Madeira, coordenada pelo Comando Operacional da Madeira, tem consistido, essencialmente, na ativação e emprego de capacidades e infraestruturas militares não hospitalares em apoio do Governo Regional da Madeira, das forças e serviços de segurança e de outras entidades e órgãos administrativos sediados na Região", refere o comunicado.

O arquipélago da Madeira mantém o total acumulado de 90 casos de covid-19, com 71 doentes recuperados e 19 ainda ativos, mas sem necessidade de cuidados hospitalares, informou na quinta-feira o Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE).

Em Portugal, morreram 1.383 pessoas das 31.946 confirmadas como infetadas, e há 18.911 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 360 mil mortos e infetou mais de 5,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,3 milhões de doentes foram considerados curados.

C/Lusa