Sociedade

Detetados 20 passageiros sem teste no aeroporto de Lisboa

As autoridades aeroportuárias detetaram até ao início da tarde de hoje 20 pessoas que desembarcaram no aeroporto de Lisboa sem apresentarem teste negativo à covid-19, estando sujeitas à aplicação de coimas, divulgou a PSP.

Detetados 20 passageiros sem teste no aeroporto de Lisboa
Desde as 00:00 de hoje e até, pelo menos, 09 de janeiro todos os passageiros provenientes de voos internacionais, independentemente de possuírem certificado de vacinação, são obrigados a apresentar um teste negativo de diagnóstico à covid-19 no momento do embarque, à exceção dos viajantes com certificado de recuperação da covid-19.

Esta medida pretende responder ao aumento do número de casos de covid-19 em Portugal e coincide com as restrições e com o regresso à situação de calamidade, que vai manter-se até 20 de março de 2022.

Numa conferência de imprensa realizada pelas 13:00 no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, o intendente Valente Pinho da PSP fez um ponto de situação relativamente ao controlo de passageiros oriundos de países que integram a União Europeia e o espaço Schengen, adiantando que foram detetados 20 passageiros em incumprimento.

“Temos 20 pessoas que fizeram o teste. Dez delas já deram teste negativo e as outras 10 aguardam. Estas pessoas vão ser autuadas, bem como as companhias áreas que fizeram o transporte”, apontou o responsável da PSP.

Por seu turno, também em declarações aos jornalistas transmitidas pelas televisões, o inspetor Gonçalo Pereira do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) referiu que foram fiscalizados 25 voos internacionais provenientes de países não Schengen e que apenas foi detetado um passageiro em incumprimento.

As companhias aéreas que transportem passageiros sem teste negativo à covid-19 incorrem numa multa entre 20.000 e 40.000 euros por passageiro e os viajantes são também alvo de uma contraordenação por não apresentarem teste à chegada, que pode ir entre os 300 e os 800 euros.

Estão isentos da obrigatoriedade de testes, que podem ser PCR ou rápido, os passageiros de voos domésticos, os menores de 12 anos e as tripulações.

Estas medidas vão ser fiscalizadas nos aeroportos de Lisboa, Faro e Porto pela PSP e SEF, tendo a ANA – Aeroportos de Portugal contratado uma empresa de segurança privada para fazer os controlar a exigência de teste.

C/Lusa