Sociedade

Imprensa venezuelana destaca ordem de expulsão da embaixadora da União Europeia

Os principais jornais e portais digitais venezuelanos destacam hoje a decisão do Presidente Nicolás Maduro em expulsar a embaixadora da União Europeia (UE), a diplomata portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, horas depois de os 27 sancionarem 11 cidadãos daquele país.

Imprensa venezuelana destaca ordem de expulsão da embaixadora da União Europeia

© DR

“Maduro: Embaixadora da UE na Venezuela tem 72 horas para abandonar o país”, é o título do diário Últimas Notícias, tido como próximo do regime, precisando que a expulsão tem lugar depois de a União Europeia “impor sanções a 11 funcionários venezuelanos”.

Segundo este diário, Nicolás Maduro afirmou segunda-feira que as sanções da UE visam gerar medo e ameaçar os representantes que decidam inscrever-se para participar nas próximas eleições parlamentares.

“Preparem-se, senhores colonialistas, supremacistas e racistas, porque na Venezuela haverá eleições livres, transparentes e parlamentares com a participação de milhares de candidatos”, afirmou o chefe de Estado, citado pelo jornal.

Por outro lado, o diário El Nacional avança que “Nicolás Maduro atacou a União Europeia, segunda-feira, e disse que a embaixadora tem 72 horas para deixar o país”.

“O principal membro do regime assegurou que não teme as sanções”, destaca o mesmo jornal que citando palavras do chefe de Estado afirma que “a Europa fracassou” ao apoiar o opositor Juan Guaidó “e em vez de retificar incorre nas suas agressões contra as instituições venezuelanas”.

O jornal 2001 destaca que “as sanções da UE esquentam os ânimos com Miraflores (palácio presidencial) e que a embaixadora foi expulsa “após castigo contra vários funcionários” de Caracas.

O Cidade Caracas destaca que “Nicolás Maduro exige que a embaixadora da UE abandone o país” e que o Presidente exclamou que “já basta do colonialismo europeu contra a Venezuela!”.

Refere também que as sanções “fazem parte de uma estratégia de pressão para obstaculizar a celebração de eleições parlamentares previstas para este ano”.

O Jornal Tal & Qual destaca que a UE “tomará medidas de reciprocidade perante a expulsão da embaixadora da Venezuela”.

O portal Aporrea (Assembleia Popular Revolucionária Americana, principal portal de consulta da esquerda política no país) refere-se também ao ocorrido e afirma que “por ingerência o Presidente Maduro deu o prazo de 72 horas à embaixadora da UE para que abandone o país”.

Por outro lado, o portal Noticiário Digital destaca que a “Colômbia, o Paraguai e a Bolívia condenam a expulsão”.

“Distintos governos da região, que reconhecem Juan Guaidó (líder opositor) como Presidente interino, condenaram a expulsão da embaixadora como resposta a sanções emanadas desde Europa”, explica.

Segundo o Caraota digital a expulsão “deixa mais isolada” a administração de Nicolás Maduro e poderia acarrear medidas recíprocas dos países membros da UE, que “poderiam expulsar os diplomatas do regime e retirar os seus representantes na Venezuela”.

“Maduro tomou a precipitada decisão depois do anúncio de sanções contra Luís Parra (deputado) e outros 10 funcionários”, sublinha.

Segundo o Informe 21, Caracas está na disposição de ceder um avião para levar a embaixadora.

C/Lusa