Sociedade

Sindicato Democrático de Professores da Madeira considera calendário escolar para 2018/2019 “retrocesso inadmissível”

O Sindicato Democrático de Professores da Madeira considera manifesta “indignação e perplexidade relativamente à publicação, no dia 9 de agosto, do Despacho nº/2018 que aprova o Calendário Escolar para o ano letivo de 2018/2019 dos estabelecimentos de educação e ensino da rede pública da Região, pois as pretensões elencadas no parecer emitido não foram tidas em consideração.”

Sindicato Democrático de Professores da Madeira considera calendário escolar para 2018/2019 “retrocesso inadmissível”

© DR

O SDPM diz, em comunicado, que “depois de, no ano anterior, os Educadores da RAM terem visto ser corrigida uma injustiça de muitos anos, vem a Secretaria Regional da Educação (SER), um ano depois, repor (e agravar!) essa mesma injustiça”.

No documento enviado à comunicação social o sindicato afirma que “o calendário escolar se deveria manter inalterado face ao ano anterior, criando-se as condições para que o mesmo fosse aplicado de forma harmoniosa nas creches, jardins de infância, infantários e unidades de educação pré-escolar, nomeadamente com a alocação dos recursos humanos necessários (auxiliares de ação educativa)”.

Os docentes consideram “ainda ser inadmissível que a publicação do referido Despacho seja tão tardiamente e durante o período de férias do pessoal docente”.

O SDPM garante “fazer tudo o que estiver ao seu alcance para reverter esta situação de injustiça para com os Educadores da RAM, de forma a que o Calendário Escolar para as creches, jardins de infância, infantários e unidades de educação pré-escolar seja coincidente com o Calendário Escolar dos restantes níveis de ensino, de acordo com o estabelecido no ano transato.