Arouca quer resolver manutenção sem "estar preocupado com outros resultados"

| 1.ª Liga

Com a permanência na I Liga de futebol ainda por garantir, o treinador do Arouca, Jorge Leitão, quer ir ao Estoril, no último jogo da época, focado apenas no seu jogo sem ter de olhar para os jogos do Tondela e Moreirense.

"Queremos ser nós a resolver os nossos problemas. Falta-nos um ponto, mas não vamos olhar só para esse ponto. Vamos jogar para três pontos. Fui para isso que treinámos, para chegar ao Estoril, fazer um bom jogo e não estar preocupado com outros resultados que estejam a acontecer", disse Jorge Leitão à imprensa, em antevisão à partida.

Na visita ao "tranquilo" Estoril, 12.º classificado com 35 pontos, o Arouca, 15.º classificado com 32 pontos, sabe que basta pontuar para fechar as contas. Por oposição, se perder, depende dos resultados do Moreirense e do Tondela, clubes também com possibilidade de descer de divisão.

Depois de conseguir 23 pontos na primeira volta, ninguém contava com uma segunda volta tão desastrosa ao ponto de o clube estar, na última jornada, ainda a fazer contas pela permanência. A mudança de treinador, entende Jorge Leitão, não foi benéfica.

"A mudança de treinador alterou bastante a equipa, houve descompressão e isso prejudicou-nos. Tentei dar a volta à situação, dar mais intensidade, mas não temos sido consistentes. Fazemos jogos bons, depois fazemos jogos maus. Com a inconsistência é difícil conseguir bons resultados", diz.

A partida marca o reencontro com Pedro Emanuel, técnico com quem Jorge Leitão trabalhou em Arouca, o que não atenua as dificuldades.

"Melhoraram bastante com a entrada do Pedro Emanuel. O Pedro tem como ponto forte a organização defensiva das suas equipas. Conheço-o bem, trabalhei com ele, tive essa felicidade, e ele vai jogar para ganhar, não nos vai facilitar em nada. É um grande profissional e vai-nos por todas as dificuldades possíveis", analisou o técnico arouquense.

O Estoril-Arouca começa às 18:00 de domingo, no Estádio António Coimbra da Mota, com arbitragem de Manuel Sousa, da Associação de Futebol do Porto.

A informação mais vista

+ Em Foco

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.

Constança Urbano de Sousa garante que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.